top of page
  • Foto do escritorKcal da Science Play

5 Suplementos para Pacientes com Epilepsia

A epilepsia é um distúrbio neurológico crônico caracterizado por convulsões repetidas e não provocadas que ocorre em milhões de pessoas em todo o mundo. Por isso, devido ao importante papel neuroprotetor, o uso de antioxidantes pode ser muito útil para aliviar as convulsões em pacientes com resistência à medicamentos, além de melhorar a qualidade de vida como um todo. 



Table of ContentsToggle

Como acontece a epilepsia?

A epilepsia surge de um aumento da frequência e sincronia do disparo neuronal e um desequilíbrio dos neurotransmissores excitatórios sobre os neurotransmissores inibitórios que também pode provocar o comprometimento da aprendizagem e da memória. 

Os mecanismos propostos de epileptogênese envolvem alterações em sinapses, neurotransmissores, receptores, estresse oxidativo, inflamação neural, disfunção mitocondrial, sinalização de citocinas e apoptose.

Por isso, os suplementos e alimentos anti-inflamatórios, antioxidantes, medicamentos antiepilépticos e medicamentos anticonvulsivantes são usados ​​para tratar a epilepsia e controlar sua progressão.

1. Acetil-l-carnitina

Acetil-l-carnitina é um aminoácido modificado que ocorre naturalmente no corpo e pode atravessar a barreira hematoencefálica, permitindo que exerça efeitos neuroprotetores ao inibir o estresse oxidativo e a apoptose, bem como a ativação glial e a neuroinflamação. 

2. Melatonina

A melatonina demonstrou ter efeitos neuroprotetores na epilepsia humana, reduzindo a incidência de convulsões e aumentando a latência inicial das convulsões. 

Alguns pesquisadores relataram os efeitos terapêuticos da melatonina, envolvendo a regulação dos receptores GABA e a inibição da síntese do óxido nítrico neuronal para interferir nas vias glutamatérgicas. 

Além disso, a melatonina preveniu os efeitos neurotóxicos das convulsões, incluindo produção de radicais livres, danos no DNA, peroxidação lipídica, perda de células do hipocampo e diminuição da atividade da glutationa e do complexo mitocondrial. 

3. NAC

O NAC também combate o estresse oxidativo por meio de suas próprias propriedades antioxidantes. O tratamento com NAC levou a uma diminuição de 70% na frequência de crises, um aumento de 30% no tempo para o início das crises epilépticas e a melhora dos prejuízos cognitivos que acompanham a epileptogênese. 

4. CoQ-10

A CoQ10 elimina diretamente os radicais livres e regenera indiretamente outros compostos antioxidantes, incluindo a vitamina E, para exercer efeitos antioxidantes. 

Um estudo descobriu que pacientes com epilepsia tinham níveis de CoQ10 significativamente mais baixos do que controles saudáveis. A CoQ10 também mostrou efeitos promissores quando usada em combinação com drogas antiepilépticas tradicionais. 

5. Astaxantina

A astaxantina é um carotenóide encontrado em microalgas, leveduras e organismos marinhos, incluindo salmão, camarão, krill e lagostins que pode facilmente atravessar a barreira hematoencefálica sem causar toxicidade. 

Este forte antioxidante diminui a geração de radicais livres e previne danos oxidativos. Além disso, a astaxantina tem atividade anti-apoptótica, anti-inflamatória e de reforço imunológico. Em vários distúrbios neurológicos, a astaxantina foi encontrada para mitigar danos cerebrais e déficits cognitivos.

Referências Bibliográficas 

Assista o vídeo na Science Play com Rodrigo Duprat: Neurohacking e Práticas para a Otimização da MenteArtigo: Madireddy S, Madireddy S. Therapeutic Strategies to Ameliorate Neuronal Damage in Epilepsy by Regulating Oxidative Stress, Mitochondrial Dysfunction, and Neuroinflammation. Brain Sciences. 2023; 13(5):784. https://doi.org/10.3390/brainsci13050784

Classifique esse post

2 visualizações

Comentarios


bottom of page