top of page

A frequência cardíaca importa para a queima de gordura?

Quanto da frequência cardíaca importa para queimar gordura? Certamente, algum de nós já fomos perguntados sobre a frequência cardíaca que aparece nos aparelhos em academias como esteiras e bicicletas, ou até mesmo em SmartWatches. Inclusive, vemos nossos pacientes publicarem em redes sociais que atingiram “x” batimentos por minuto e “y” calorias. Porém, podemos garantir que aquilo é verdade?



Table of Contents


Observe sua frequência cardíaca, mas não fique obcecado com isso para queima de gordura


Não o bastante, muitos equipamentos de academia, como esteiras, bicicletas ergométricas e máquinas de remo, possuem recursos que permitem aos usuários inserir informações como peso, idade e altura. Em seguida, o aparelho cria um protocolo personalizado para orientar a pessoa durante seu treinamento, como se esses dados fossem cruciais para o processo de perda de peso.


Ao inserir informações pessoais como peso e idade nos equipamentos, muitos confiam cegamente nas leituras da máquina para determinar a intensidade do exercício necessário para otimizar a queima de gordura. No entanto, um estudo recente conduzido por pesquisadores da Mount Sinai Medicne School em New York, sugere que essa confiança pode estar mal fundamentada. Segundo o estudo, a frequência cardíaca necessária para a queima de gordura durante o exercício varia significativamente de pessoa para pessoa.


Revelando a Complexa Relação Entre Frequência Cardíaca e Queima de Gordura Durante o Exercício


À medida que o nosso paciente se esforça para alcançar seus objetivos de saúde e boa forma, muitos deles se deparam com a dúvida da “zona de queima de gordura”. Dessa forma, a ideia de que existe uma faixa específica de frequência cardíaca na qual o corpo queima gordura de maneira mais eficaz durante o exercício ganhou popularidade. No entanto, o mais recente estudo “Discrepancy between predicted and measured exercise intensity for eliciting the maximal rate of lipid oxidation”, publicado na revista Nutrition, Metabolism & Cardiovascular Disease – NMCD, no dia 15 de Julho de 2023, gera uma nova perspectiva sobre essa abordagem tradicional.


A pesquisa conduzida, destaca a relação complexa entre frequência cardíaca e queima de goruda. O termo “FATmax”, frequentemente associado ao ponto de intensidade do exercício em que o corpo otimiza essa queima, tornou-se uma referência comum. No entanto, o artigo desafia a ideia de que existe uma única intensidade mágica em que esse processo atinge seu ápice. 


Ao comparar a frequência cardíaca na qual o FATmax ocorre, foram realizadas medidas em testes clínicos de exercício, com a frequência cardíaca prevista na chamada “zona de queima de gordura” pré existente nos gráficos dos aparelhos como esteiras e outros ergômetros. Em seguida, os resultados foram surpreendentes. Em uma pequena amostra de 26 indivíduos, os pesquisadores observaram uma diferença média de 23 batimentos por minuto entre as duas medidas. Essa discrepância sugere que a suposta “zona de queima de gordura” pode não fornecer orientações precisas para a maximização da perda de gordura.


Prática Clínica

Infelizmente, a abordagem tradicional para a perda de gordura muitas vezes assumiu que a “zona de queima de gordura” dos smartwatches e ergômetros era a chave para resultados ideais. No entanto, o estudo em questão levanta questionamentos sobre essa abordagem revelando que a diferença significativa entre as frequências cardíacas medidas e previstas sugere que a relação entre frequência cardíaca e queima de gordura é mais complexa do que se imaginava.


Devemos colocar sempre na nossa mente que as pessoas são únicas e respondem de maneira diferente ao exercício. Por outro lado, a ideia de uma única zona de queima de gordura não considera as variações individuais, incluindo genética, condicionamento físico e metabolismo. Com certeza, um dos melhores exames para enxergar essa individualização é o teste cardiopulmonar com alguma das diversas fórmulas básicas de frequência cardíaca máxima alinhadas ao exercício físico.


Por isso, a mensagem principal é revelar que o corpo humano é uma máquina complexa e que não existe uma abordagem única para todos. Enquanto a pesquisa colocou um fim a essa dúvida, e desvendou os mistérios da relação entre frequência cardíaca e queima de gordura, cabe a cada um explorar, aprender e descobrir o que funciona melhor para o próprio bem-estar e entregar um resultado de satisfação aos pacientes.


Continue Estudando...





Referências Bibliográficas


KITTRELL, Hannah D.; DIMENNA, Fred J.; ARAD, Avigdor D.; OH, Wonsuk; HOFER, Ira; WALKER, Ryan W.; LOOS, Ruth J.F.; ALBU, Jeanine B.; NADKARNI, Girish N.. Discrepancy between predicted and measured exercise intensity for eliciting the maximal rate of lipid oxidation. Nutrition, Metabolism And Cardiovascular Diseases, [S.L.], jul. 2023. Elsevier BV.

1 visualização

Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page