top of page

Avanços na Terapia de Reposição Hormonal

Ao longo do século XX, houve um crescente interesse nos distúrbios relacionados à menopausa, porém, foi necessário certo tempo para compreender completamente o impacto da depleção hormonal na saúde das mulheres. As manifestações clínicas ligadas à menopausa foram reconhecidas como parte da "Síndrome de Deficiência Hormonal", abrangendo não apenas os sintomas de ondas de calor, mas também outras condições crônicas que se manifestavam tardiamente, como osteoporose, eventos cardiovasculares, doença de Alzheimer e atrofia vaginal. Nesse contexto, no início do século XX, a Food and Drug Administration (FDA) aprovou um medicamento contendo estrogênio para o tratamento das ondas de calor.


O que é Terapia de Reposição Hormonal?


A terapia de reposição hormonal (TRH) é um tratamento médico que envolve a administração de hormônios sintéticos ou de origem animal para substituir os níveis diminuídos ou ausentes de hormônios naturais no corpo. É comumente utilizada para tratar sintomas associados à deficiência hormonal, como os experimentados durante a menopausa em mulheres e a andropausa em homens. A TRH pode ajudar a aliviar sintomas como ondas de calor, suores noturnos, alterações de humor, problemas de sono e diminuição da libido. 


Terapia de Reposição Hormonal na Atualidade


A terapia de reposição hormonal (TRH) tem sido objeto de inovações notáveis recentemente, apresentando avanços significativos tanto em formulações mais seguras e eficazes quanto em abordagens terapêuticas mais personalizadas. Com os progressos na medicina de precisão, os médicos têm a capacidade de ajustar a TRH de acordo com as necessidades individuais de cada paciente, considerando diversos aspectos, como idade, histórico médico, sintomas específicos e preferências pessoais. Paralelamente, os estudos científicos têm propiciado o desenvolvimento de opções de tratamento mais diversificadas, incluindo novas formulações de hormônios, como os bioidênticos, que se assemelham mais de perto aos hormônios naturais do corpo, e métodos de administração alternativos, como adesivos transdérmicos e géis.


Além disso, os avanços na compreensão dos mecanismos moleculares e celulares subjacentes aos efeitos hormonais têm fornecido insights valiosos sobre os potenciais benefícios e riscos associados à TRH. Isso tem resultado em uma abordagem mais personalizada e equilibrada na prescrição da terapia hormonal, com o objetivo de otimizar os resultados clínicos e minimizar os efeitos adversos. Contudo, apesar dos avanços, permanecem desafios na pesquisa e prática clínica da TRH, como a necessidade de estudos adicionais sobre os efeitos a longo prazo e a segurança do tratamento, bem como a importância da educação contínua de profissionais de saúde e pacientes sobre os benefícios e limitações da terapia hormonal.


Prática Clínica


Na prática clínica, é essencial que os médicos considerem uma abordagem individualizada ao prescrever a terapia de reposição hormonal (TRH) para seus pacientes. Isso inclui uma avaliação cuidadosa do histórico médico do paciente, incluindo fatores de risco para doenças cardiovasculares, câncer de mama e osteoporose, entre outros. Além disso, é importante discutir abertamente com os pacientes sobre os potenciais benefícios e riscos da TRH, permitindo que eles participem ativamente da tomada de decisão. 


Ainda, os médicos devem acompanhar regularmente seus pacientes durante o curso da TRH, monitorando os sintomas, avaliando os efeitos colaterais e realizando exames de acompanhamento conforme necessário. Isso permite uma adaptação personalizada da terapia, garantindo que ela continue sendo adequada e eficaz ao longo do tempo. Ademais, os médicos devem estar preparados para discutir alternativas à TRH, caso seja necessário interromper o tratamento devido a efeitos colaterais ou preocupações médicas.


Continue Estudando…





Referências Bibliográficas


CAGNACCI, Angelo; VENIER, Martina. The Controversial History of Hormone Replacement Therapy. Medicina, [S.L.], v. 55, n. 9, p. 602, 18 set. 2019. MDPI AG.

Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page