top of page
  • Foto do escritorKcal da Science Play

Creatina e Insuficiência Renal: Há relação?

A creatina é um dos suplementos dietéticos mais populares, com ampla aplicabilidade. Sendo crucial para a bioenergética celular, especialmente em tecidos com demandas de energia altas e flutuantes, como os músculos. A sua administração oral pode aumentar o teor de creatina muscular, beneficiando o desempenho em certos esporte e melhorar alguns sintomas clínicos, por exemplo, em doenças reumáticas, distúrbios metabólicos, miopatias, doenças neurodegenerativas, doença pulmonar obstrutiva crônica e insuficiência cardíaca congestiva. No entanto, os potenciais efeitos adversos da creatina, particularmente nos rins, ainda são motivo de debate. Será que a suplementação de creatina pode levar a uma disfunção renal?



Table of Contents


Os Rins e o Metabolismo da Creatina


Os rins são órgãos vitais que estão ativamente envolvidos em diversos processos fisiológicos, desempenhando um papel central na manutenção da homeostase do corpo. Eles participam de vias endócrinas; regular a osmolaridade, o volume do líquido extracelular e a pressão sanguínea; manter o equilíbrio eletrolítico e ácido-base; e excretar resíduos e substâncias estranhas (por exemplo, toxinas e drogas).


Em particular, o processo de filtração depende principalmente da pressão capilar e da permeabilidade da barreira de filtração glomerular, que é relativamente seletiva e bastante robusta. O vazamento de macromoléculas na urina é um forte indicador de ruptura da permeabilidade glomerular.


O que Avaliar?


A taxa de filtração glomerular é considerada um ponto central na avaliação da função renal. No entanto, este marcador é diretamente afetado por outras substâncias metabólicas e por isso ainda existem muitos erros associados a avaliação da taxa de filtração glomerular (por exemplo, tabagismo, inflamação, medicamentos, níveis de hormônios tireoidianos e corticosteróides, adiposidade, massa muscular, dieta), que pode limitar sua capacidade de avaliar com precisão a função renal para certos grupos.


É o caso de indivíduos que tomam suplementação de creatina. A creatinina sérica é o parâmetro mais comumente usado para avaliar a função renal, isoladamente ou como um meio para estimar a taxa de filtração glomerular. Creatinina é um produto final do metabolismo da creatina. Como a ingestão crônica de creatina aumenta o conteúdo total de creatina no corpo, é normal que um aumento fisiológico de creatinina possa ocorrer no sangue após a administração de creatina sem necessariamente implicar qualquer dano aos rins. 


Esta é a razão pela qual considerar apenas a creatinina sérica (ou seja, sem contabilizar sua concentração na urina) pode ser inadequado para aqueles que consomem suplementos de creatina. Sempre que esse viés é negligenciado, pode levar à má interpretação dos resultados dos testes e a um diagnóstico incorreto. Sendo assim, a implicação geral é que qualquer biomarcador sérico que possa ser influenciado pelo metabolismo da creatina pode não ser suficiente para avaliar a função renal em indivíduos que consomem suplementos de creatina. 


Nesse caso, sempre que a taxa de filtração glomerular medida for inviável, é aconselhável que múltiplos marcadores de função renal sejam avaliados. As avaliações do conteúdo urinário de células sanguíneas, albumina, proteínas e outras substâncias plasmáticas não usualmente encontradas na urina podem fornecer informações valiosas sobre eventuais alterações na permeabilidade da membrana glomerular e saúde renal geral.


Recomendações da Creatina


  1. A suplementação de creatina deve usada em doses racionais (até 20 g.dia);

  2. Indivíduos com uma taxa de filtração glomerular muito baixa induzida por uma doença renal pré-existente não devem fazer uso de creatina;

  3. O monitoramento da função renal não é obrigatório para indivíduos saudáveis ​​que tomam creatina, mas deve ser prudente acompanhar aqueles com risco de diminuição da função renal (por exemplo, indivíduos mais velhos e populações clínicas) sob protocolos de suplementação de longo prazo;

  4. A avaliação da função renal por meio de marcadores independentes do metabolismo da creatina/creatinina é importante para evitar erros de diagnóstico (falsos positivos); 

  5. O uso de novas formulações de creatina deve ser cauteloso, a menos que um perfil de segurança tenha sido estabelecido cientificamente; 

  6. Suplementos de creatina (geralmente de baixo preço) com pureza não atestada e uma infinidade de contaminantes estão disponíveis no mercado e devem ser evitados.


Prática Clínica


Apesar de alguns relatos anedóticos e dados experimentais sugerindo que a creatina pode ser deletéria para os rins, evidências cumulativas de ensaios controlados randomizados independentes mostram claramente que esse não é o caso. Entretanto, a literatura mostra que é prudente evitar a suplementação de creatina para aqueles que têm doenças renais pré-existentes, resultando em funções renais muito baixas.


Para aqueles em risco de diminuição da taxa de filtração glomerular (por exemplo, alguns indivíduos mais velhos ou aqueles com certas condições clínicas), o monitoramento da função renal durante a suplementação com creatina parece ser prudente, embora estudos grandes e de longo prazo não tenham mostrado riscos. Finalmente, os consumidores devem selecionar suplementos de creatina que tenham sido devidamente testados e certificados quanto à sua qualidade/pureza.


Continue Estudando...



Sugestão de estudo: Creatina: Como consumir?




Referências Bibliográficas 

LONGOBARDI, Igor; GUALANO, Bruno; SEGURO, Antonio Carlos; ROSCHEL, Hamilton. Is It Time for a Requiem for Creatine Supplementation-Induced Kidney Failure? A Narrative Review. Nutrients, [S.L.], v. 15, n. 6, p. 1466, 18 mar. 2023. MDPI AG.

Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page