top of page

Dieta Cetogênica no Controle da Obesidade

A obesidade tem sido definida como um “assassino silencioso”, visto que aumenta significativamente o risco e contribui para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, dislipidemia, artropatia, algumas neoplasias e infertilidade. Por isso, estratégias para perda de peso focada em mudanças no estilo de vida baseadas em atividade física e recomendações dietéticas, vêm sendo utilizadas para o controle desse cenário.

Entretanto, os programas de modificação do estilo de vida nem sempre são bem-sucedidos, surgindo as dietas cetogênicas com muito baixo teor de carboidratos, propostas como uma estratégia nutricional atraente para o controle da obesidade. Este modelo dietético é caracterizado por baixo teor de carboidratos (cerca de 30 g/dia ou ≃13% da ingestão total de energia), 0,8 a 1,5 g de proteína/kg de peso corporal ideal (∼43%), 15-30 g de gordura/dia (∼44%) e uma ingestão diária de cerca de 500-800 calorias. Visto que, a redução da ingestão de carboidratos leva à síntese de cetonas, as quais são utilizadas como combustível por vários tecidos extra-hepáticos como o sistema nervoso central, músculo esquelético e o coração. 



Table of ContentsToggle

Protocolo da Dieta Cetogênica

Inicialmente, devido às restrições existentes no protocolo cetogênico, faz-se necessário atentar-se à inclusão de proteínas de alto valor biológico que podem ser obtidas através de alimentos ou por suplementação. No mais, o protocolo é caracterizado por três etapas: ativa, reeducativa e de manutenção.

A fase ativa ainda pode ser dividida em mais três fases e sua duração gira em torno de 8 a 12 semanas, tempo necessário para que os indivíduos percam a maior parte da meta de perda de peso (cerca de 80%). Na fase 1, os pacientes comem refeições proteicas de alto valor biológico com vegetais de baixo índice glicêmico 4 a 5 vezes ao dia sem ofertar carnes e ovos. Na fase 2, uma das porções de proteína é substituída por uma refeição com carne/ovo/peixe, no almoço ou no jantar. Por fim, na fase 3, uma segunda porção com baixo teor de gordura é ofertada. Neste contexto, a suplementação com micronutrientes como vitamina K, sódio, magnésio, cálcio e ácidos graxos ômega-3 são sugeridos.

Na literatura, também foi relatado que o protocolo da fase ativa poderia ser alcançado fornecendo metade da quantidade diária de proteína usando suplementação de aminoácidos sintéticos contendo whey protein, carboidrato, gordura, isoleucina, α-cetoglutarato de ornitina, L-citrulina, taurina, L-triptofano e citrato de potássio, num total de 64 kcal (268 KJ) que se dissolvem em água. Esta bebida é tomada no almoço ou almoço e jantar.

Sendo assim, após a fase ativa, os pacientes introduzem progressivamente diferentes grupos alimentares e participam de um programa de reeducação alimentar para manter a perda de peso a longo prazo. Os carboidratos são gradualmente introduzidos na seguinte ordem: alimentos com índice glicêmico mais baixo (frutas e laticínios – fase 4), seguidos de alimentos com índice glicêmico moderado (legumes – fase 5) e alto (pão, massas e cereais). – fase 6), com a ingestão calórica diária na reintrodução variando entre 800 e 1.500 kcal/dia.

Por fim, na fase de manutenção utiliza-se um programa nutricional que varia de 1500 a 2000 kcal/dia, dependendo do indivíduo e balanceado em macronutrientes e micronutrientes, visando a manutenção da perda de peso a longo prazo e a promoção de um estilo de vida saudável.

Resultados da Dieta Cetogênica

A primeira descoberta foi que uma dieta cetogênica que segue o protocolo sugerido está associada a uma redução significativa no peso corporal, IMC, gordura corporal central e massa gorda total. Sendo estas significativamente maiores do que aquelas alcançadas com outras intervenções de perda de peso da mesma duração.

No entanto, a redução da massa livre de gordura não foi significativamente diferente da redução causada por outras intervenções de controle de peso, o que significa que uma dieta cetogênica não tem um efeito melhor na conservação da massa magra.

Por fim, no que se trata de parâmetros bioquímicos do metabolismo da glicose, a glicemia e hemoglobina glicada (HbA1c) também se mostrou reduzida sem superioridade em comparação com outros tipos de intervenções para perda de peso. Entretanto, é preciso dar atenção especial à redução observada no índice HOMA-IR e a uma melhora na sensibilidade à insulina, os quais foram superiores ao de outros programas de perda de peso. Já para os parâmetros bioquímicos do metabolismo de ácidos graxos, observou-se uma redução importante no colesterol total e triglicerídeos superior quando comparados a diferentes tipos de dieta. Na mesma direção, há uma redução significativa no LDL, porém esta independe do modelo dietético adotado.

Prática Clínica

O protocolo da dieta cetogênica de muito baixa caloria pode ser recomendado como um tratamento dietético eficaz para indivíduos com obesidade, em particular para pacientes com obesidade grave e/ou comorbidades (doenças articulares, período pré-operatório de cirurgia bariátrica e doenças cardiovasculares e metabólicas) que necessitam de perda de peso imediata e substancial. No entanto, é importante personalizar a dieta, com base nas preferências do paciente, a fim de permitir escolhas alimentares dentro do protocolo. E, embora seja uma abordagem nutricional que tem efeitos benéficos significativos nos parâmetros antropométricos, metabólicos e na composição corporal, é necessário acompanhamento periódico com nutricionista e médico para exames físicos e bioquímicos de modo a prevenir efeitos colaterais e garantir eficácia da dieta cetogênica.

Referências Bibliográficas

Assista ao vídeo na plataforma da Science Play: Repensando o uso da gordura como substrato energético

Muscogiuri G, El Ghoch M, Colao A, Hassapidou M, Yumuk V, Busetto L; Obesity Management Task Force (OMTF) of the European Association for the Study of Obesity (EASO). European Guidelines for Obesity Management in Adults with a Very Low-Calorie Ketogenic Diet: A Systematic Review and Meta-Analysis. Obes Facts. 2021;14(2):222-245. doi: 10.1159/000515381. Epub 2021 Apr 21. PMID: 33882506; PMCID: PMC8138199.

Classifique esse post

3 visualizações

Comments


bottom of page