top of page

Efeitos Neuroprotetores da Cafeína nas Doenças Neurodegenerativas

A cafeína é o psicoestimulante mais utilizado nos países ocidentais, com propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias e anti apoptóticas. Na doença de Alzheimer (DA), a cafeína é benéfica e efeitos semelhantes também foram observados pacientes com doença de Parkinson. Leia mais sobre os efeitos neuroprotetores da cafeína nas doenças neurodegenerativas


Table of Contents


Cafeína nas Doenças Neurodegenerativas


A cafeína (1,3,7-trimetilxantina) é um psicoestimulante amplamente utilizado. Ela está contida no café, chá, bebidas energéticas, cacau, entre outros. Após o consumo, a cafeína é rapidamente absorvida pelo trato gastrointestinal e a maior concentração de cafeína no sangue é atingida 30-60 minutos após a ingestão. Concentrações semelhantes de cafeína são encontradas no cérebro, sugerindo que a cafeína pode facilmente atravessar a barreira hematoencefálica, devido à sua natureza hidrofóbica. Níveis médios de consumo de cafeína causam alerta e reduzem a fadiga, levando a um melhor desempenho em tarefas psicomotoras que requerem reações rápidas.


Cafeína e Doença de Alzheimer 


A doença de Alzheimer é uma doença neurodegenerativa progressiva e irreversível que leva a alterações cognitivas, comportamentais e deficiências de memória. As características histopatológicas incluem os depósitos extracelulares de placas difusas e neuríticas. Recentemente, a cafeína tem despertado interesse científico devido ao seu potencial como um composto antioxidante, capaz de proteger contra o estresse oxidativo, que pode auxiliar na doença de Alzheimer. 


Cafeína e Doença de Parkinson


A doença de Parkinson (DP) é caracterizada por bradicinesia (lentidão de movimento), rigidez e instabilidade postural. A etiologia não é totalmente compreendida, mas acredita-se que seja a consequência da perda de neurônios dopaminérgicos, resultando em déficit de dopamina.O insulto neuronal é causado principalmente por estresse oxidativo excessivo, levando a proteínas, DNA e lipídios danificados. A maioria das espécies reativas de oxigênio são iniciadas a partir da microglia, que são ativadas por certos fatores inflamatórios ou genéticos. Dados sugerem que a cafeína pode conferir neuroproteção contra a degeneração do neurônio dopaminérgico subjacente e pode influenciar o início e a progressão da doença de Parkinson. 


Prática Clínica 


A cafeína exerce seus efeitos por diferentes vias, incluindo o antagonismo dos receptores de adenosina, inibição de fosfodiesterase e ativação de receptores de rianodina. No entanto, em níveis médios de consumo de cafeína (210-238 mg/d), o principal mecanismo de ação é o antagonismo dos receptores de adenosina. O consumo de cafeína, em dosagens de 3-5 mg/kg, está associado a um menor risco de doença de Alzheimer e doença de Parkinson em estudos epidemiológicos e pré-clínicos. 


Continue Estudando...




Sugestão de estudo: Cafeína Causa Diurese?


Assista o vídeo na Science Play com Lanche Jr: Desempenhos neurológicos e fisiológicos através da cafeína


Referências Bibliográficas 


KOLAHDOUZAN, Mahshad; HAMADEH, Mazen J.. The neuroprotective effects of caffeine in neurodegenerative diseases. Cns Neuroscience & Therapeutics, [S.L.], v. 23, n. 4, p. 272-290, 20 mar. 2017. Wiley. 

Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page