top of page

Estratégias Eficientes para a Longevidade

A medicina é a ciência da incerteza e a arte da probabilidade, para viver mais com qualidade de vida, longevidade e bem-estar. No entanto, as pessoas estão envelhecendo cada vez mais sem qualidade de vida.

Estudos sobre as “zonas azuis” mostram que pessoas dos Estados Unidos, Costa Rica, Itália, Grécia e Japão têm uma vida mais longa e com maior qualidade. Nos Estados Unidos, um dos países mais desenvolvidos do mundo, a cada 10 pessoas, 6 têm alguma doença crônica. Mas será que isso é possível em todos os lugares do mundo ou esses países têm algo diferente? 



Table of ContentsToggle

Marcadores do Envelhecimento

  1. Disfunção mitocondrial

  2. Inflamação

  3. Instabilidade genômica

“Células zumbis” são células que não são mais funcionais para o organismo e afetam negativamente o metabolismo. O envelhecimento precisa ser abordado de forma abrangente, trabalhando a longevidade e o bem-estar do paciente.

“Hormese” é o equilíbrio metabólico que ocorre através de estímulos de estresse, como aquecer o corpo por meio de saunas. Estudos mostram que homens que frequentam a sauna de 4 a 7 vezes por semana têm 63% menos chances de desenvolver doenças cardíacas.

Regular o ciclo circadiano também é importante para evitar problemas de saúde como depressão, Alzheimer, diabetes e hipertensão, que podem ser decorrentes da falta de qualidade do sono.

Gorduras Saturadas, Doenças Cardiovasculares e Longevidade

A ingestão total de gordura saturada, monoinsaturada e poliinsaturada não está relacionada ao risco de doenças cardiovasculares. Notícias na internet, como o consumo de carne vermelha aumentando o risco de câncer ou uma fatia de bacon por dia elevando o risco de câncer de intestino, muitas vezes são divulgadas sem evidências científicas em revistas famosas, congressos e universidades. É importante desenvolver um senso crítico baseado em fisiologia, experiência clínica e medicina baseada em evidências.

Para promover a longevidade do paciente, é necessário abordar quatro pilares: glicação, inflamação, oxidação e hormese hormonal. Dietas com baixo teor de carboidratos ou com grande variedade de vegetais, fibras, frutas, cereais, peixes e gorduras insaturadas reduzem o risco de doenças cardiovasculares e obesidade, protegem o cérebro do envelhecimento e promovem maior longevidade. Dessa forma, a suplementação de ômega-3 pode ser benéfica para reduzir a inflamação crônica relacionada a uma alimentação inadequada.

Ainda, a homocisteína, que mede a metilação, é mais do que um biomarcador, é um guia para a prevenção de doenças. É importante evitar a suplementação inadequada, pois pode promover o envelhecimento mitocondrial do indivíduo. O suplemento alimentar à base de hidroximetilbutirato de cálcio (Ca HMB), que é o metabólito do aminoácido leucina, age inibindo mTOR.

A ingestão inadequada de proteínas, a capacidade reduzida de utilizar a proteína disponível ou a maior necessidade de proteínas também resultam em perda da funcionalidade.

Benefícios do Jejum e da Cetose para Longevidade

  1. Inibição de mTOR

  2. Redução da sinalização insulínica

  3. Ativação de AMPK

  4. Ativação de sirtuínas

  5. Ativação de PGC-1 alpha e FOXO

  6. Ativação de autofagia e reparo celular

  7. Renovação de células-tronco

No caso das mulheres, o envelhecimento começa desde o nascimento devido a fatores relacionados à gestação e ao útero. Além disso, a qualidade dos oócitos diminui com a idade. Assim, a reposição hormonal pode ser utilizada para combater os efeitos do envelhecimento durante a menopausa.

Estude mais!

Sugestão de Leitura: Nutracêuticos e Envelhecimento

Classifique esse post

8 visualizações

Comments


bottom of page