top of page
  • Foto do escritorKcal da Science Play

Fitoterápicos



Table of ContentsToggle

O que são?

Os fitoterápicos compreendem os produtos obtidos de plantas medicinais ou os seus derivados, exceto substâncias isoladas- utilizados com finalidade profilática, curativa ou paliativa (ANVISA). Praticada desde os tempos antigos, a fItoterapia é uma prática da medicina alternativa chinesa e indiana, que também se utiliza do conhecimento popular empírico de povos indígenas. Neste contexto, muitos estudos científicos já demonstraram a efetividade dos fitoterápicos e a liberação do uso depende da legislação vigente em cada país. 

Para que serve os fitoterápicos?

O objetivo no uso de fitoterápicos é prevenir ou tratar doenças já existentes a partir da utilização de substâncias naturais das plantas. Tal prática é valorizada por grandes organizações como a OMS, visto que a fitoterapia está presente nos locais onde a medicina tradicional muitas vezes não chega. No Brasil, por exemplo, a Política Intersetorial de Plantas Medicinais e Fitoterápicos (PIPMF) foi instituída pela Lei Estadual 12.560/2006, passo importante para o reconhecimento da funcionalidade e efetividade destes. 

Como funcionam os fitoterápicos?

As ervas em sua forma bruta, compostos vegetais e suas formulações podem ser considerados fitoterápicos. Nesse sentido, podem ser utilizados para diversas funções e atuam em diferentes órgãos do corpo, apresentando propriedades metabólicas, nutricionais e terapêuticas. Ou seja, um fitoterápico pode ter ação antialérgica, antiviral, expectorantes, analgésica, antiglicemiante, calmante etc. 

Quando precisa suplementar?

Embora exista a crença popular de que por serem de origem natural não apresentam riscos para a saúde, é preciso atentar-se que como todo medicamento o uso inadequado pode resultar em sérios problemas. os quais podem ser reversíveis ou não. Posto isso, sua utilização pode ser feita na forma de chás, cápsulas, xaropes, infusões e comprimidos, entretanto, é necessário analisar de acordo com as características de cada paciente para, então, realizar uma escolha mais assertiva para a forma de administração. 

Referência

Classifique esse post

1 visualização

Comments


bottom of page