top of page
  • Foto do escritorKcal da Science Play

Inflamação de Baixo Grau e Ultraprocessados

A inflamação é uma resposta imunológica essencial para a defesa do corpo, que serve para reparar tecidos danificados e eliminar agentes tóxicos. No entanto, quando essa resposta se torna crônica, mesmo em baixo grau, pode levar a condições metabólicas que perturbam a homeostase, favorecendo o desenvolvimento de várias doenças não transmissíveis, como câncer, diabetes e doenças cardiovasculares. Por isso, aqui você vai entender a importância da escolha dos alimentos para prevenir um estado inflamatório. 



Table of ContentsToggle

Dieta como Fator de Risco para Inflamação de Baixo Grau

No geral, padrões dietéticos com alto consumo de vegetais, frutas e grãos integrais, consumo moderado de legumes e peixe e baixo consumo de carne vermelha foram associados a um maior potencial anti-inflamatório, por isso recomenda-se a dieta do mediterrâneo.  

Os autores concluíram que a dieta mediterrânea apareceu como o padrão alimentar com reduções mais significativas em biomarcadores inflamatórios, incluindo IL-6 e Proteína-C Reativa. Os efeitos protetores desses padrões alimentares contra a inflamação estão relacionados ao padrão alimentar como um todo, não apenas a seus componentes individuais. 

Em contraste, os fatores dietéticos que promovem a inflamação são lipídios oxidados, ácidos graxos saturados e ácidos graxos trans, que estão presentes em níveis elevados nos padrões alimentares ocidentais. Esse padrão alimentar, caracterizado por uma alta ingestão calórica e um alto consumo de doces, cereais refinados, carnes vermelhas e processadas, salgadinhos e bebidas açucaradas, tem sido associado a um maior potencial pró-inflamatório, com níveis mais elevados de Proteína-C Reativa e IL-6.

Ação dos Ultraprocessados no Organismo

Dessa forma, os ultraprocessados são geralmente ricos em açúcares simples, na forma de sacarose ou xarope de alto teor de frutose, portanto, tendem a ser alimentos que aumentam a glicose no sangue de forma acentuada e rápida, ou seja, com alto índice glicêmico/carga glicêmica. Este aumento pós-prandial nos níveis de glicose, por sua vez, causa um aumento nos níveis de insulina, o que promove um estado pró-inflamatório.

Eles também têm alto teor de sal, contribuindo para uma alta ingestão de sódio. Vários estudos associaram uma maior ingestão de sal com níveis mais elevados de inflamação em adultos e idosos. 

Quanto ao teor de gordura dos ultraprocessados, o seu potencial inflamatório decorre não só da maior quantidade consumida, mas também de uma qualidade inferior. De fato, os ácidos graxos trans resultantes do processo industrial estão associados a uma maior presença de inflamação de baixo grau. E a maior ingestão de ácidos graxos ômega-6, resultando em uma maior proporção de ômega-6/ômega-3 e potencial promoção de inflamação de baixo grau.

Aspectos Não Nutricionais Envolvidos 

Um dos fatores não nutricionais presentes nos ultraprocessados são os aditivos, que são adicionados para minimizar ou intensificar as qualidades sensoriais dos alimentos. Entre os mais estudados estão os adoçantes, principalmente os não calóricos, devido ao seu amplo uso em refrigerantes por proporcionarem um sabor doce sem o valor energético dos açúcares.

Recentemente, também tem havido um interesse crescente no efeito nocivo de emulsificantes usados ​​para melhorar a vida útil e a textura de produtos alimentícios. Estudos sugerem que adoçantes e emulsificantes podem contribuir para a cascata inflamatória através da modulação da microbiota intestinal. 

Componentes não nutritivos como bisfenol e ftalatos também podem estar presentes nos ultraprocessados devido à migração de substâncias químicas que fazem parte das embalagens dos alimentos. De fato, vários estudos relataram níveis mais elevados de ambas as substâncias na urina de pessoas com alto consumo de ultraprocessados. Devido à sua estrutura, o bisfenol e os ftalatos podem interromper vários aspectos da ação hormonal e, portanto, são chamados de desreguladores endócrinos.

Relação com a Microbiota Intestinal

A disbiose está associada a um alto grau de inflamação, causado por uma menor presença de bactérias produtoras de ácidos graxos de cadeia curta e aumento da permeabilidade do intestino. Tanto a qualidade da dieta quanto a presença dos aditivos descritos anteriormente podem influenciar a disbiose intestinal.

As frutas e vegetais estão correlacionados com um efeito anti-inflamatório graças à presença de numerosos fitocompostos e fibras alimentares. A fibra é considerada um dos fatores que reduzem a inflamação relacionada à dieta e na manutenção da homeostase da microbiota intestinal. 

Prática Clínica 

A inflamação de baixo grau desempenha um papel fundamental na formação de doenças não transmissíveis, que estão se tornando cada vez mais prevalentes em todo o mundo. Nos últimos anos, a alimentação tem se destacado como um dos principais fatores de risco para essas doenças, juntamente com o aumento do consumo de ultraprocessados, que por diversos mecanismos, pode contribuir para promover um estado pró-inflamatório. 

Referências Bibliográficas 

Assista o vídeo na Science Play com  Hugo Comparotto: Fitoterapia como recurso terapêutico na inflamação e no emagrecimento Artigo: Tristan Asensi M, Napoletano A, Sofi F, Dinu M. Inflamação de baixo grau e consumo de alimentos ultraprocessados: uma revisão. Nutrientes . 2023; 15(6):1546. https://doi.org/10.3390/nu15061546

Classifique esse post

0 visualização

Comments


bottom of page