top of page

Interocepção e Suplementação: O Futuro da Nutrição

Interocepção é a capacidade do cérebro de sentir as sensações internas do corpo, como fome, sede, cansaço e estresse. É por meio dessa percepção que podemos avaliar nossa própria saúde e bem-estar e tomar medidas para cuidar de nós mesmos. Por outro lado, a exterocepção refere-se à capacidade de perceber estímulos externos, como usar a audição para ouvir sons do ambiente ao redor.


A anamnese é fundamental para a prática clínica, pois permite ao profissional de saúde obter informações detalhadas sobre o histórico médico, sintomas atuais e estilo de vida do paciente. Uma anamnese bem conduzida é essencial para estabelecer um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado.


Caso Clínico


Mulher, 22 anos, estudante do último ano de odontologia e mora sozinha, busca atendimento devido a desconforto gastrointestinal. Relata períodos de 1 a 2 dias sem evacuar (EB 2), alternando com fezes amolecidas, além de apresentar muita flatulência e eructação.


Aspectos a serem investigados:


  • Frequência e regularidade intestinal: É importante determinar a frequência evacuatória normal da paciente e se houve interrupção nos hábitos intestinais recentemente, pois isso pode indicar disfunção no funcionamento do intestino.

  • Fase do ciclo menstrual: Avaliar em qual fase do ciclo menstrual a paciente se encontra, pois as flutuações hormonais podem influenciar o funcionamento gastrointestinal.

  • Estímulo para evacuação: Investigar o que desencadeia a vontade de evacuar e se há presença de resíduos nas fezes, o que pode fornecer pistas sobre possíveis causas do desconforto gastrointestinal.

  • Observar hábitos de digestão e mastigação: Avaliar a qualidade da digestão e mastigação da paciente, pois esses processos podem afetar a absorção de nutrientes e influenciar na formação e na eliminação de resíduos fecais.


“A morte fica no intestino e uma má digestão é a raiz de todos os males” - Hipócrates (460 a 370 a.c)


Questionários de Sinais e Sintomas


1. Fadiga física e mental

2. Ansiedade e baixa concentração

3. Tontura ao se levantar

4. Queda de cabelo

5. Sensibilidade ao frio

6. Sintomas de tpm


Exercícios físicos: pilates 2x na semana

Horas de sono: não faz a higiene do sono, não tem horas de sono suficientes


Antropometria


  • Peso: 58,2 kg

  • Estatura: 1,65 m

  • Imc 21,6 Kg/m2

  • CA: 74 cm

  • 26,3% de gordura


Olhando apenas para o IMC, a paciente está dentro das referências. No entanto, ao analisar a antropometria completa, observamos que o percentual de gordura está bastante elevado. Além disso, o desequilíbrio do cortisol pode levar a alterações hormonais, aumentando a busca por comida. Por outro lado, o exercício físico é importante para a autonomia mental e a capacidade cognitiva. Portanto, independentemente da queixa do paciente, a estratégia deve visar a melhoria da qualidade de vida e da longevidade.


Após análise dos exames laboratoriais, observou-se que a ferritina está em 13,6 ng/mL, enquanto a B12 está em 360 pg/mL, considerada insuficiente, pois quando dosada vem ativa e não ativa, indicando a necessidade de manter níveis mais altos para ser suficiente. A homocisteína, por sua vez, está em 8,46 µmol/L, apresentando uma baixa concentração. Quanto à vitamina D, foi registrada uma taxa de 36,89 ng/mL, indicando uma insuficiência ainda que não seja a pior, visto que 36 órgãos recebem a vitamina D, sendo necessário manter níveis mais elevados. Destaca-se a importância de não se limitar apenas às faixas de referência padrão, pois estas são estreitas e representam apenas a média da população.


Alimentação


A percepção passada é que, com exceção de cafeína e refrigerante, a intercepção será baixa, devido à alta exposição à cafeína. Mais da metade da alimentação relatada pela paciente é composta por alimentos ultraprocessados, e mais da metade da lista de ingredientes contém aditivos. Qualquer aditivo alimentar em alta quantidade e frequência pode inflamar o intestino.


Planejamento


É importante compreender que existem diversas outras opções de dietas e estratégias disponíveis. Além disso, é fundamental ensinar ao paciente a prática da intercepção, que envolve sentar-se na cama ao acordar e refletir sobre seu estado emocional e físico, questionando-se sobre seu humor, nível de energia, fome, entre outros aspectos, a fim de se compreender melhor. Uma estratégia adotada nesse contexto é a implementação de um período mínimo de jejum de 12 horas para regular os níveis de cortisol, juntamente com a priorização de alimentos ricos em compostos bioativos.


Suplementação


  • Manhã: Vitamina D e K2, CoQ10, B12, Rhodiola Rosea

  • Grandes refeições: Ômega-3, Curcumina

  • Noite: Magnésio

  • Médico: Ferro- o nível de ferro está extremamente baixo, sendo necessária uma administração endovenosa, visto que os nutricionistas não possuem autorização para prescrição dessa forma de tratamento.


“Sem a interocepção a anamnese é falha. A suplementação deve ser imediata”


Prática Clínica


Na prática clínica, a interocepção desempenha um papel crucial, pois permite que os profissionais de saúde compreendam as sensações internas relatadas pelos pacientes, como fome, sede e desconforto físico. Essa habilidade de perceber e interpretar os sinais do corpo é fundamental para uma avaliação precisa da saúde e do bem-estar do paciente. Ao integrar a interocepção à anamnese, os profissionais podem obter uma compreensão mais profunda das experiências subjetivas dos pacientes, o que contribui significativamente para a elaboração de planos de tratamento personalizados e eficazes.


Continue Estudando...


Sugestão de estudo: Suplementação




Referências Bibliográficas


CHEN, Wen G.; SCHLOESSER, Dana; ARENSDORF, Angela M.; SIMMONS, Janine M.; CUI, Changhai; VALENTINO, Rita; GNADT, James W.; NIELSEN, Lisbeth; HILLAIRE-CLARKE, Coryse St.; SPRUANCE, Victoria. The Emerging Science of Interoception: sensing, integrating, interpreting, and regulating signals within the self. Trends In Neurosciences, [S.L.], v. 44, n. 1, p. 3-16, jan. 2021. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.tins.2020.10.007

Comments


bottom of page