top of page

Microbiota Intestinal e Dietas Vegetarianas

Muitas pesquisas elucidam o impacto da microbiota intestinal humana na fisiologia do hospedeiro, com implicações novas para a saúde e a doença. Com isso, dados mostram que a composição da dieta dieta parece ter efeitos agudos e de longo prazo no ecossistema da microbiota intestinal. Ou seja, variados padrões alimentares como dietas vegetarianas e veganas versus onívoras, têm influência significativa na composição da microbiota intestinal.

Diante disso, dentre as características da microbiota intestinal humana estão suas correlações aos diversos sistemas do homem como o imune, gastrointestinal, cerebral e cardiovascular. Sendo que, também sugere-se um efeito sob as células e genes do hospedeiro. Assim, devido a essa interação sugeriu-se que o microbioma humano funcione como um “órgão” separado.



Table of ContentsToggle

Microbiota Intestinal, Dietas Vegana e Vegetariana

Além das bactérias, o intestino também abriga vários reinos: archaea, vírus e eucariotos, incluindo espécies de fungos. Sendo que a microbiota intestinal é representada por várias espécies microbianas, pertencentes principalmente a apenas dois filos: Bacteroidetes e Firmicutes.

Nesse sentido, é bem documentado a diferença na composição da microbiota intestinal entre indivíduos que consomem uma dieta vegana/vegetariana e uma onívora. Sendo que, diversas pesquisas apontam que as dietas vegetarianas e veganas são capazes de promover uma microbiota diferente quando comparadas aos onívoros, com apenas uma diferença marginal entre veganos e vegetarianos. 

Portanto, as alterações na composição da microbiota podem ser devidas a diferenças nas bactérias consumidas diretamente através dos alimentos, nos substratos consumidos, variações no tempo de trânsito do sistema gastrointestinal, pH, secreção do hospedeiro influenciada por padrões alimentares e regulação da expressão gênica do próprio hospedeiro e/ ou sua microbiota.

Ainda, a dieta a base de plantas associa-se beneficamente à saúde humana, promovendo o desenvolvimento de um sistema microbiano intestinal mais diversificado, ou mesmo a distribuição de diferentes espécies. Pesquisas mostraram uma associação positiva entre a diversidade a riqueza microbiana local e a ingestão de frutas e vegetais a longo prazo. Melhor explicando, a adição de cevada integral, arroz integral ou uma mistura dos dois primeiros à dieta de voluntários resultou em um aumento na diversidade microbiana. 

IMC, Obesidade e Complacência Arterial

A diversidade da microbiota parece ter uma associação importante com IMC, obesidade e complacência arterial; e a maioria das pesquisas sugere que uma dieta baseada em vegetais promove uma maior diversidade microbiana. Como exemplo, estudos mostraram que há uma conexão positiva entre a diversidade alfa, que se refere à variedade de micróbios em uma área específica, e o consumo prolongado de frutas e vegetais. 

Sendo assim, diversos estudos sugerem uma forte correlação negativa entre a redução da relação entre Bacteroidetes e Firmicutes e o índice de massa corporal (IMC). Uma possível explicação para essa correlação pode estar relacionada ao fato de que um aumento de 20% nos Firmicutes, acompanhado por uma diminuição correspondente de Bacteroidetes, está associado a um aumento de 150 kcal/dia na absorção de energia, o que pode levar a um ganho de peso ao longo do tempo.

Além disso, a literatura aponta uma diminuição na diversidade de micróbios em indivíduos obesos quando comparados com indivíduos não obesos. Pessoas obesas também apresentam uma diminuição na proporção de Bacteroidetes:Firmicutes e um aumento na quantidade de Proteobactérias, um grupo de micróbios pró-inflamatórios. Da mesma forma, foi observado um aumento nos níveis de proteína C-reativa, que apresentou correlação inversa com a proporção de Bacteroidetes:Firmicutes.

Por fim, a velocidade da onda de pulso carotídeo-femoral, que é uma medida de rigidez arterial, apresentou uma correlação negativa com a diversidade do microbioma. Essa correlação continuou sendo significativa mesmo após ajustes para resistência à insulina e gordura visceral. Os pesquisadores acreditam que a relação entre rigidez arterial e diversidade microbiana pode ser explicada, em parte, pelo papel do intestino na modulação da inflamação sistêmica. Dessa forma, o aumento da diversidade microbiana pode melhorar a inflamação sistêmica e, consequentemente, reduzir a rigidez arterial.

Dieta na Razão Bacteroidetes:Firmicutes

Parece que veganos e vegetarianos possuem uma maior diversidade microbiana quando comparados com pessoas que consomem uma dieta onívora. Especificamente, a contagem de certos grupos taxonômicos de Bacteroidetes é maior nesses indivíduos. Há evidências de que muitos dos benefícios para a saúde associados às dietas vegetarianas e veganas podem ser, pelo menos em parte, explicados pela microbiota intestinal. Não apenas pela maior abundância relativa de certos grupos taxonômicos (como Bacteroidetes, Prevotella e Roseburi) que atualmente são considerados protetores, mas também por efeitos pós-bióticos e epigenéticos em vários fatores de risco para inflamação crônica e doenças crônicas degenerativas.

Embora haja diferenças significativas de um indivíduo para o outro, um microbioma intestinal saudável em adultos é caracterizado principalmente pelo domínio de Bacteroidetes-OTUs relacionados, juntamente com os do filo Firmicutes. Com isso, pesquisas têm mostrado que a variabilidade nas concentrações desses filos bacterianos é amplamente influenciada pela dieta, ou seja, pela proporção entre os dois filos.

Exemplificando, um estudo comparou a composição bacteriana de adultos indianos e chineses, ambos consumindo dietas ricas em carboidratos e vegetais. Apesar disso, a dieta chinesa era mais rica em gordura animal e proteína, enquanto a dieta indiana consistia principalmente de grãos integrais e alimentos vegetarianos à base de plantas. Resumidamente, os resultados mostraram que a porcentagem de Bacteroidetes nos microbiomas dos participantes indianos foi quase quatro vezes maior do que nos chineses, com valores de 16,39% e 4,27%, respectivamente.

Vale destacar que algumas pesquisas envolvendo uma dieta vegana ou vegetariana e a razão Bacteroidetes:Firmicutes mostraram resultados controversos aos anteriores. Podendo ser explicado por diferenças geográficas e de idade, bem como a variabilidade entre os indivíduos.

Prática Clínica

Estudos recentes mostram que a dieta tem uma influência fundamental na composição da microbiota intestinal humana. Embora ainda seja necessário realizar mais pesquisas, as evidências atuais sugerem que uma dieta predominantemente à base de plantas pode ser uma maneira eficaz de aumentar a diversidade de micróbios benéficos que apoiam a saúde geral.

Referências Bibliográficas

Artigo Dietas vegetarianas e veganas: Tomova A, Bukovsky I, Rembert E, Yonas W, Alwarith J, Barnard ND and Kahleova H (2019) The Effects of Vegetarian and Vegan Diets on Gut Microbiota. Front. Nutr. 6:47. doi: 10.3389/fnut.2019.00047

Classifique esse post

8 visualizações

Comments


bottom of page