top of page
  • Foto do escritorKcal da Science Play

No início da gravidez, qual o papel dos probióticos?

Alguns sintomas gastroinstestinais como náuseas, vômitos, prisão de ventre e azia são muito comuns em mulheres grávidas. No entanto, apesar de muitas vezes surgirem fisiologicamente, devido a elevadas concentrações de estrogênio e progesterona que mudam a composição e função da microbiota intestinal, tais sintomas acabam afetam a qualidade de vida da gestante, podendo impactar também na sua função intestinal. Diante desse cenário, existem algumas hipóteses de suplementações que podem influenciar positivamente a melhora desses sintomas. Por isso, o estudo abaixo avaliou se, no início da gravidez, os probióticos são benéficos para a disbiose, a qual pode influenciar o sistema nervoso entérico e a função gastrointestinal.



Table of ContentsToggle

O Estudo

A duração do estudo foi de 16 dias, e consistiu em dois ciclos de seis probióticos diários, principalmente Lactobacillus, e 2 dias sem probióticos. A função gastrointestinal e a qualidade de vida dos indivíduos foram monitoradas diariamente. Ainda, um subconjunto dos pacientes contribuiu com amostras fecais para sequenciamento metagenômico da microbiota e quantificação de genes bacterianos.

Os resultados indicam que a suplementação de probióticos reduziu significamente a gravidade de náuseas, vômitos, constipação e melhorou a qualidade de vida das mulheres. No entanto, a abundância dos filos Akkermansia e A. muciniphila associaram-se aos períodos de vômito.

Ácidos Biliares e Sintomas Gastrointestinais

Ainda, níveis elevados de bsh fecal (hidrolase de sal biliar), que gera ácidos biliares livres, associou-se a baixos escores de vômito. Contudo, o consumo de probióticos aumentou as quantidades de bsh fecal (cerca de 5 a 6 vezes). 

No entanto, tal relação não foi observada para o ácido biliar 7α-desidroxilase, responsável por converter os ácidos biliares primários em ácidos biliares secundários. Os ácidos biliares secundários elevados são genotóxicos e causam câncer. Em contrapartida, a hidrolase do sal biliar codificado por bsh desconjuga os ácidos biliares e está presente em Lactobacillus e Bifidobacterium, que são rotineiramente usados ​​como probióticos. Por isso, conclui-se que probióticos provavelmente produzem ácidos biliares livres para facilitar a mobilidade intestinal e o metabolismo.

Prática Clínica

Apesar de ser uma área de pesquisa que necessita de mais estudos, o estudo mostrou que os probióticos podem produzir ácidos biliares livres, que facilitam a mobilidade intestinal e o metabolismo, reduzindo assim os sintomas de mulheres grávidas, principalmente no início da gestação. No entanto, quando se fala em filos, deve-se atentar em quais tem se mostrado prejuciais ou benéficos ao tratamento. A abundância dos filos Akkermansia e A. muciniphila associaram-se aos períodos de vômito, enquanto, Lactobacillus e Bifidobacterium trazem efeitos positivos.

Referências Bibliográficas

Veja o vídeo na plataforma Science Play: Probióticos e Prebióticos: Como e Quando Prescrever?

Artigo Probióticos na Gravidez: Liu AT, Chen S, Jena PK, Sheng L, Hu Y, Wan Y-JY. Probiotics Improve Gastrointestinal Function and Life Quality in Pregnancy. Nutrients. 2021; 13(11):3931. https://doi.org/10.3390/nu13113931

Classifique esse post

6 visualizações

Comentários


bottom of page