top of page

Nutrição no Manejo da Fibromialgia

A síndrome da fibromialgia (SFM) é uma condição complexa caracterizada por dor crônica generalizada e uma variedade de sintomas associados, incluindo fadiga, distúrbios do sono e problemas de memória e concentração. Embora a etiologia exata permaneça obscura, evidências sugerem um envolvimento de sensibilização central, amplificando os sinais de dor no sistema nervoso central. O diagnóstico é baseado nos critérios estabelecidos pelo American College of Rheumatology, com uma prevalência estimada em 1,78%, mais comum em mulheres e associada a fatores socioeconômicos e demográficos.


Abordagens Dietéticas na Fibromialgia: Potencial Terapêutico e Desafios


O tratamento da SFM é multifacetado e varia de pessoa para pessoa, geralmente incluindo farmacoterapia, fisioterapia e terapia cognitivo-comportamental. No entanto, a remissão completa dos sintomas é rara, levando muitos pacientes a buscar tratamentos complementares, como intervenções dietéticas. 


Embora a eficácia dessas abordagens não seja totalmente compreendida devido à falta de evidências conclusivas, muitos pacientes experimentam mudanças na dieta na tentativa de controlar os sintomas da SFM.


Intervenções dietéticas podem desempenhar um papel importante na gestão da SFM e podem ser supervisionadas por profissionais de saúde, como dietistas ou nutricionistas. Embora a influência da dieta na fisiopatologia e nos sintomas da SFM ainda precise ser totalmente esclarecida, há potencial para benefícios, incluindo redução do estresse oxidativo, modulação da inflamação e melhoria da produção de energia. No entanto, são necessários ensaios clínicos randomizados e controlados para informar recomendações nutricionais baseadas em evidências. 


Desafios e Perspectivas na Intervenção Nutricional


Houve 22 estudos de intervenção nutricional na fibromialgia, revelando resultados variados em uma ampla gama de medidas de resultados. Notavelmente, várias intervenções demonstraram melhorias significativas na dor, um sintoma central da fibromialgia, incluindo o consumo de algas verdes Chlorella, dieta vegana, coenzima Q10, acetil-L-carnitina, dieta pobre em FODMAP e uma combinação de sementes de vitaminas C e E e Nigella sativa.


As terapias convencionais para fibromialgia apresentam limitações significativas, mas estudos mostraram uma redução na dor e na gravidade geral da condição com a suplementação de algas verdes Chlorella, coenzima Q10, acetil-l-carnitina, uma dieta vegana, azeite extra-virgem e uma dieta baixa em FODMAP. Além disso, uma combinação de sementes de vitamina C, E e Nigella sativa também mostrou benefícios. Essas intervenções estão associadas à melhoria do estado oxidativo, da produção de energia e dos marcadores inflamatórios, sendo a coenzima Q10 particularmente promissora devido aos seus efeitos no estresse oxidativo, metabolismo energético e regulação da inflamação.


Para fortalecer a compreensão fisiopatológica, são necessárias mais pesquisas em cada uma dessas intervenções, com metodologias de amostragem estatisticamente sólidas e medições de estresse oxidativo e biomarcadores inflamatórios. Além disso, investigações sobre combinações de modalidades nutricionais, como antioxidantes e anti-inflamatórios, podem revelar interações entre esses sistemas e seu impacto na fibromialgia. Se essas intervenções demonstrarem ser promissoras em ensaios clínicos bem concebidos, poderão ser desenvolvidos protocolos de tratamento ativo para uso clínico.


Prática Clínica


Recomenda-se a incorporação de abordagens nutricionais complementares no tratamento da fibromialgia, com base em evidências revisadas que indicam benefícios potenciais associados ao uso de suplementos como algas verdes Chlorella, coenzima Q10, acetil-l-carnitina e uma combinação de sementes de vitamina C, E e Nigella sativa, bem como estratégias alimentares como uma dieta vegana e dieta baixa em FODMAP. 


Essas intervenções têm demonstrado potencial para melhorar o estado oxidativo, a produção de energia e os marcadores inflamatórios associados à fibromialgia. No entanto, é fundamental aplicar essas intervenções de forma personalizada, considerando as necessidades individuais de cada paciente, realizar uma avaliação completa do estado nutricional e monitorar de perto os resultados ao longo do tempo. 


A integração dessas abordagens nutricionais pode oferecer uma perspectiva adicional no manejo da fibromialgia, proporcionando aos pacientes opções complementares para melhorar sua qualidade de vida e reduzir os sintomas associados à condição.


Continue estudando...



Sugestão de leitura: Quais são os tipos de magnésio?




REFERÊNCIAS:



Comments


bottom of page