top of page

O Papel Protetor do Consumo Moderado de Ovos na Saúde Ocular

O papel da alimentação na manutenção da saúde ocular tem sido objeto de estudo constante, e recentemente, uma pesquisa de coorte de base populacional com mais de 3.600 participantes acima de 49 anos trouxe novas perspectivas sobre o consumo de ovos e sua relação com a Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI). A presença de luteína e zeaxantina nos ovos, dois carotenoides essenciais, revelou-se um fator chave na proteção dos olhos contra a luz azul e o estresse oxidativo. Vamos saber mais a respeito desse estudo?


Metodologia e Resultados


O estudo avaliou o consumo de ovos em 2.034 participantes, utilizando um questionário de frequência alimentar. As categorias de consumo foram definidas como: 1 ovo/semana ou menos; 2 a 4 ovos/semana; 5 a 6 ovos/semana; e 1 ovo/dia ou mais. Os participantes foram acompanhados ao longo de 15 anos, com exames iniciais para sinais de DMRI.


Os resultados revelaram que os participantes que consumiram de 2 a 4 ovos por semana apresentaram um risco reduzido de desenvolver DMRI em estágio avançado em comparação com aqueles que consumiram apenas 1 ovo por semana ou nenhum. Esta redução de risco foi notável, alcançando 62% para a forma neovascular da doença.


Além disso, observou-se que o consumo moderado de ovos estava associado a uma redução significativa no risco de DMRI tardia. Os participantes que consumiram 2 a 4 ovos/semana experimentaram uma redução de 54%, enquanto aqueles que ingeriram 5 a 6 ovos/semana apresentaram uma diminuição de 65% no risco dessa condição.


Zeaxantina e Luteína: Guardiãs da Saúde Ocular


Os carotenoides zeaxantina e luteína, amplamente presentes na natureza e responsáveis pelas vibrantes cores de frutas e vegetais, desempenham um papel vital na manutenção da saúde ocular. Essas substâncias, não produzidas naturalmente pelo corpo humano, tornam-se essenciais para a visão e a proteção celular contra danos oxidativos, reduzindo assim o risco de doenças crônicas.


A mácula, localizada no centro da retina, é uma das estruturas mais nobres dos olhos e desempenha um papel crucial na visão central. A zeaxantina e a luteína são encontradas em abundância nessa região, e estudos revelam que pacientes com degeneração macular frequentemente apresentam baixos níveis desses carotenoides. A suplementação com zeaxantina e luteína tem mostrado ser uma estratégia eficaz na prevenção e tratamento da DMRI, uma condição que afeta milhões de pessoas no Brasil, sendo a principal causa de cegueira em indivíduos com mais de 60 anos.


Além de seu papel na saúde da retina, zeaxantina e luteína atuam como filtros solares internos, protegendo a mácula ocular dos efeitos prejudiciais da luz ultravioleta. Essa função protetora pode ser crucial para evitar danos causados pela exposição prolongada ao sol, contribuindo assim para a preservação da visão.


Prática Clínica


Os achados deste estudo sugerem que o consumo moderado de ovos pode desempenhar um papel protetor na prevenção da DMRI em estágio avançado, particularmente na forma neovascular. A presença de luteína e zeaxantina nos ovos emerge como um fator relevante na manutenção da saúde ocular ao longo do tempo. No entanto, são necessários mais estudos para elucidar completamente os mecanismos por trás dessa associação e traduzir esses resultados em diretrizes práticas para profissionais de saúde. Este avanço na compreensão da relação entre a dieta e a saúde ocular destaca a importância de abordagens integrativas na promoção do bem-estar visual em populações maduras.


Continue Estudando…





Referências Bibliográficas


GOPINATH, Bamini; LIEW, Gerald; TANG, Diana; BURLUTSKY, George; FLOOD, Victoria M.; MITCHELL, Paul. Consumption of eggs and the 15-year incidence of age-related macular degeneration. Clinical Nutrition, [S.L.], v. 39, n. 2, p. 580-584, fev. 2020. Elsevier BV.


コメント


bottom of page