top of page

Qual o Impacto da Dieta Ocidental versus Dieta Mediterrânea na Interação com a Microbiota

As doenças mais prevalentes atualmente, são as doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs) e estão aumentando em todo o mundo. Todas elas compartilham a condição de um “distúrbio inflamatório”, com funções imunológicas prejudicadas frequentemente causadas ou acompanhadas por alterações na microbiota intestinal. Nesse contexto, a dieta é o maior modulador do sistema imunológico-microbiota.


Diante disso, a dieta ocidentalizada é parcialmente responsável pelo aumento da prevalência de DCNTs, afetando negativamente tanto a microbiota intestinal quanto o sistema imunológico. Por outro lado, outras abordagens nutricionais, como a dieta mediterrânea, influenciam positivamente o sistema imunológico e a microbiota intestinal e são propostas não apenas como uma ferramenta potencial no manejo clínico de diferentes condições de doença, mas também para prevenção e promoção da saúde globalmente. Entenda o impacto da dieta ocidental versus dieta mediterrânea nesse contexto.



Table of Contents


Dieta Mediterrânea como Modelo de Alimentação Saudável


A dieta mediterrânea apresenta cada vez mais evidências científicas sobre seus efeitos benéficos à saúde. Essa dieta é caracterizada por uma combinação de carboidratos altamente complexos em fibras (encontradas em cereais, leguminosas, vegetais, frutas), ácidos graxos poliinsaturados com ação antiaterogênica e propriedades anti-inflamatórias (encontradas no azeite e nozes) e compostos bioativos com propriedades antioxidantes, como flavonóides, fitoesteróis, terpenos e polifenóis.


Da mesma forma, um equilíbrio perfeito de micronutrientes, que são abundantes nesta dieta, incluindo vitaminas e minerais, ajudam a evitar desnutrição e imunodeficiências. O sistema imunológico precisa cooperar com um grupo de substâncias para desempenhar corretamente suas funções, e alguns deles são necessários em concentrações mais elevadas. 

Alimentos ricos em nutrientes permitem que o corpo repare a inflamação desencadeada por alimentos pobres em nutrientes e dietas hipercalóricas, contribuindo para atenuar os fatores de risco cardiovascular. Além disso, a adesão à dieta mediterrânea se correlaciona com o restabelecimento da eubiose da microbiota como Bacteroidetes e certos grupos benéficos de Clostridium, enquanto Proteobacteria e Bacillaceae diminuem. Assim, como a microbiota intestinal representa um fator indicativo do estado de saúde do indivíduo, também é um fator que denota a adesão a um tipo de alimentação saudável como a dieta mediterrânea.


Padrão Alimentar Ocidental como Modelo de Alimentação Não Saudável


Ao contrário da dieta mediterrânea, a dieta ocidental representa uma preocupação mundial, sendo responsável pela obesidade e doenças crônicas não transmissíveis, incluindo câncer, doenças cardiovasculares, osteoporose, doenças autoimunes ou diabetes tipo II, entre outros. 


O padrão alimentar ocidental caracteriza-se por um alto teor de gorduras não saudáveis, grãos refinados, açúcar, sal, álcool e outros elementos nocivos. Além disso, associa-se a uma redução no consumo de frutas e vegetais. Isso leva a mudanças críticas na microbiota intestinal e sistema imunológico, afetando negativamente a integridade do intestino e, assim, promovendo inflamação crônica sistêmica. Este padrão alimentar, combinado com seus reduzidos teores de fibras gera um efeito desfavorável no intestino e no microbioma, levando, portanto, à disbiose e. Assim, educação adequada, conscientização e medidas são necessárias na perspectiva da saúde pública.

Prática Clínica


A dieta modula o sistema imunológico e a microbiota intestinal. Portanto, estabelece um diálogo bidirecional com vias de sinalização ou produção de metabólitos, que afetam as funções umas das outras. A dieta mediterrânea promove a saúde intestinal e afeta diretamente o sistema imune, em contrapartida a dieta ocidental prejudica a composição da microbiota e, consequentemente, promove malefícios à saúde, incluindo para a imunidade. 


Continue Estudando...





Referências bibliográficas 


GARCÍA-MONTERO, Cielo; FRAILE-MARTÍNEZ, Oscar; GÓMEZ-LAHOZ, Ana M.; PEKAREK, Leonel; CASTELLANOS, Alejandro J.; NOGUERALES-FRAGUAS, Fernando; COCA, Santiago; GUIJARRO, Luis G.; GARCÍA-HONDUVILLA, Natalio; ASðNSOLO, Angel. Nutritional Components in Western Diet Versus Mediterranean Diet at the Gut Microbiota–Immune System Interplay. Implications for Health and Disease. Nutrients, [S.L.], v. 13, n. 2, p. 699, 22 fev. 2021. MDPI AG.

26 visualizações

Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page