top of page
  • Foto do escritorKcal da Science Play

Relação entre Bagaço de Uva e Função Intestinal

O bagaço de uva (BU) é constituído majoritariamente por cascas e sementes de uva, sendo um subproduto do processo de vinificação. É comum utilizar o BU na elaboração de suplementos alimentares e alimentos enriquecidos, devido às suas propriedades benéficas para a saúde, as quais se devem, principalmente, à presença de polifenóis e teor elevado de fibras alimentares, sendo principalmente insolúvel e composta de polissacarídeos estruturais como celulose, hemiceluloses, pectinas e lignina. 

Produtos derivados de BU têm sido propostos como uma forma de gerenciar diversos fatores de risco cardiovascular, incluindo disfunção endotelial, inflamação, hipertensão, hiperglicemia e obesidade. Estudos de intervenção em seres humanos sugerem que a suplementação de BU pode reduzir a pressão arterial em 3 a 8% em indivíduos com sintomas de síndrome metabólica. Entretanto, outros estudos relatam poucos efeitos na pressão arterial após a suplementação com BU polifenóis. Essa discrepância pode ser atribuída às diferenças na composição dos produtos derivados de BU, às doses utilizadas e à população estudada.



Table of ContentsToggle

Mecanismo de Ação do Bagaço de Uva

Pode-se dizer que a atividade do BU como um ingrediente promotor da saúde cardiometabólica começa no trato gastrointestinal, uma vez que seus componentes, tais como os polifenóis e fibras, sofrem extenso catabolismo na microbiota intestinal, resultando em compostos bioativos de baixo peso molecular que podem ser absorvidos e utilizados pelo organismo. Os polifenóis dietéticos são metabolizados pela microbiota intestinal e concentrados no lúmen intestinal, alcançando concentrações biologicamente relevantes que permitem a eles exercer efeitos benéficos localmente.

É importante ressaltar que o metabolismo hepático desempenha um papel crucial na biotransformação dos polifenóis, permitindo a formação de metabólitos mais biodisponíveis e biologicamente ativos. Esses metabólitos podem exercer efeitos benéficos em vários tecidos e órgãos do organismo.

Efeitos na Digestão e Absorção de Nutriente

Considerando que o BU é uma fonte rica de fibras dietéticas solúveis e insolúveis. A fração insolúvel pode aumentar o volume das fezes e promover a movimentação do alimento pelo trato digestivo, reduzindo o tempo disponível para a absorção dos nutrientes. Por outro lado, a fibra solúvel pode formar uma substância semelhante a um gel no intestino, o que leva ao retardo do esvaziamento gástrico e a uma absorção mais lenta dos nutrientes.

Embora esse efeito possa ser vantajoso para regular os níveis de glicose no sangue, também pode restringir a disponibilidade de alguns nutrientes. O elevado teor de fibra dietética presente no BU pode reduzir a taxa de absorção de glicose no intestino delgado, formando uma matriz viscosa semelhante a um gel. Isso dificulta a ação das enzimas digestivas sobre os carboidratos e a difusão da glicose, resultando em uma liberação mais gradual de glicose na corrente sanguínea.

A presença de fibra solúvel no BU pode afetar o processo de emulsificação, que é necessário para que a gordura seja hidrolisada e absorvida. Além de seus efeitos sobre a absorção de gordura, o BU também pode reduzir a absorção do colesterol presente na dieta por meio de diversos mecanismos. A fibra solúvel e os polifenóis presentes no BU são capazes de se ligar aos sais biliares no intestino, diminuindo sua reabsorção e promovendo sua excreção. Isso estimula o fígado a utilizar mais colesterol circulante para sintetizar novos sais biliares, o que resulta em níveis sanguíneos de colesterol mais baixos.

Efeitos na Regulação das Enzimas Intestinais

No intestino, as enzimas como α-amilase, α-glicosidase, protease e lipase desempenham um papel na digestão de carboidratos, proteínas e lipídios, respectivamente. Além de seus outros efeitos, inibir as enzimas de hidrólise de carboidratos, como α-amilases e α-glicosidases, no sistema digestivo pode ajudar a prevenir a absorção de glicose, reduzindo a hiperglicemia pós-prandial. Isso é particularmente importante, uma vez que a hiperglicemia pós-prandial é um componente significativo de todos os tipos de diabetes. A capacidade inibitória da enzima em relação à fibra alimentar pode estar associada aos inibidores presentes na superfície da fibra insolúvel, bem como à capacidade da rede de fibras porosas em aprisionar as enzimas.

Efeitos na Regulação dos Transportadores Intestinais

Os transportadores presentes no intestino são fundamentais para a absorção de nutrientes como açúcares, lipídios, aminoácidos e vitaminas do lúmen intestinal para a corrente sanguínea. Alterações na expressão desses transportadores podem ter consequências significativas na absorção de nutrientes, na saúde intestinal e na saúde cardiovascular em geral.

Foi observado que a BU tem influência na expressão de transportadores de glicose, especialmente o transportador de glicose dependente de sódio 1 (SGLT1), o transportador facilitador de glicose 2 (GLUT2) e o transportador de frutose (GLUT5), que são responsáveis pela absorção de açúcares no intestino delgado. Pesquisas indicam que os polifenóis e os complexos polissacarídeos presentes no BU podem aumentar a expressão desses transportadores, resultando em uma melhor captação de glicose e regulação da glicemia.

Além disso, estudos mostraram que a BU também pode influenciar a expressão de transportadores de lipídios, como o transportador de colesterol Niemann-Pick C1-like 1, a proteína de ligação de ácido graxo 1 e a translocase de ácido graxo, bem como os transportadores de sais biliares. Esses efeitos podem contribuir para um melhor controle glicêmico e redução dos níveis de colesterol no sangue, o que pode diminuir o risco de doenças cardiovasculares.

Efeitos do Bagaço de Uva na Integridade da Barreira Intestinal

A barreira intestinal é uma estrutura dinâmica que separa a parte interna do hospedeiro do lúmen intestinal e permite ou restringe seletivamente a troca de água, íons e macromoléculas entre o lúmen intestinal e os tecidos subjacentes. Essa troca pode ocorrer por duas vias principais: a via transcelular, que é regulada pelo perfil específico de transportadores e canais presentes nas células, e a via paracelular, que é controlada principalmente pelas junções apertadas (JA) entre as células intestinais.

A função da barreira intestinal é fundamental para o equilíbrio do organismo, e a ruptura dessa barreira pode levar a processos inflamatórios e disfunções intestinais. A BU pode influenciar positivamente a barreira intestinal por meio de seus polifenóis, que regulam genes-chave que codificam proteínas de junção apertada, promovendo uma união intercelular mais forte e reduzindo o transporte paracelular. Dessa forma, os polifenóis podem melhorar a função da barreira intestinal e evitar disfunções intestinais.

Efeitos do Bagaço de Uva no Microbioma Intestinal

Cada vez mais se percebe uma relação entre mudanças na composição da microbiota intestinal, chamadas de disbiose, e a ocorrência de doenças não transmissíveis. A alimentação é um dos fatores que mais influenciam nossa microbiota e, entre os componentes alimentares, a fração de fibra dietética tem sido reconhecida como uma das mais importantes na modulação da microbiota. Atualmente, há indícios de que os polifenóis também possuem um grande potencial para combater a disbiose microbiana e impactar positivamente outros aspectos da saúde relacionados ao microbioma intestinal.

A microbiota intestinal tem a capacidade de quebrar componentes bioativos, produzindo metabólitos fenólicos bioacessíveis e ácidos graxos de cadeia curta (SCFAs), que podem influenciar a composição e o funcionamento das comunidades intestinais. Pesquisas realizadas em animais mostram que a suplementação BU pode ter efeitos benéficos na saúde intestinal, melhorar os perfis metabólicos, aumentar as defesas antioxidantes e anti-inflamatórias e estimular o crescimento de bactérias benéficas.

Os ensaios clínicos realizados com produtos derivados de BU têm mostrado variação entre indivíduos em relação aos biomarcadores, destacando a importância das comunidades bacterianas envolvidas no metabolismo em vez de gêneros ou famílias bacterianas isoladas. No entanto, esses produtos têm um potencial significativo para modular a composição e a função da microbiota intestinal em diversas doenças.

Prática Clínica

As propriedades benéficas à saúde do bagaço de uva são atribuídas principalmente à sua rica composição em polifenóis e fibras alimentares, bem como às interações sinérgicas entre esses componentes. Assim, o uso do bagaço da uva pode contribuir para a prevenção e tratamento de doenças cardiovasculares e outras doenças crônicas não transmissíveis.

Referências Bibliográficas

Artigo Bagaço de uva: Taladrid D, Rebollo-Hernanz M, Martin-Cabrejas MA, Moreno-Arribas MV, Bartolomé B. Grape Pomace as a Cardiometabolic Health-Promoting Ingredient: Activity in the Intestinal Environment. Antioxidants. 2023; 12(4):979. https://doi.org/10.3390/antiox12040979

Classifique esse post

0 visualização

Comments


bottom of page