top of page

Retocolite Ulcerativa e Alimentação: Como proceder?

A Retocolite ulcerativa é uma doença inflamatória crônica do intestino que afeta principalmente a camada mais interna do cólon e do reto do intestino grosso. É caracterizada por uma inflamação contínua de sua mucosa e muitas vezes apresenta sintomas desagradáveis que podem ser leves, moderados ou graves, afetando diretamente a qualidade de vida do indivíduo. Por mais que a retocolite ulcerativa seja uma doença crônica e, portanto, não tenha cura, você sabia que uma alimentação adequada é capaz de atenuar seus sintomas? 

Um estudo recente atestou que mais de 70% dos pacientes portadores de retocolite ulcerativa relataram que padrões alimentares inadequados afetaram significativamente o curso da doença e aumentaram a frequência e a gravidade de seus sintomas. 

Sendo uma ferramenta que muitas vezes é subestimada no meio médico e que, no entanto, tem grande influência na expressão da doença intestinal, sugerimos a leitura do texto a seguir para que você esteja sempre atualizado e atento em como proceder no tratamento da retocolite ulcerativa e como utilizar a alimentação como sua aliada!



Table of ContentsToggle

Sintomatologia da Retocolite Ulcerativa

Primeiramente, é importante que você esteja atento aos sintomas que a retocolite ulcerativa expressa em seu corpo. Dentre eles, os principais são a diarreia com sangue e muco, cólicas abdominais, febre, perda de peso e fadiga. No entanto, com o tratamento e alimentação adequada, a maioria das pessoas pode ter seus sintomas controlados e levar uma vida normal. Para tanto, o diagnóstico é feito por um médico especialista e os exames incluem avaliação do histórico clínico de saúde, exame de fezes, endoscopia e, principalmente, achados bioquímicos e histológicos.

A causa exata da retocolite ulcerativa é desconhecida, mas acredita-se que seja resultado de uma resposta autoimune anormal no corpo. Isso significa que o sistema imunológico do corpo ataca erroneamente as células saudáveis ​​do cólon, causando inflamação. Além disso, fatores genéticos, ambientais e imunológicos podem contribuir para o desenvolvimento da doença. 

Tratamento da Retocolite Ulcerativa

O tratamento para a retocolite ulcerativa inclui medicamentos que ajudam a reduzir a inflamação, suplementos nutricionais e, em casos graves, cirurgia para remover a poção intestinal afetada. Além disso, é importante que os pacientes com retocolite ulcerativa tenham um estilo de vida saudável, incluindo uma dieta equilibrada, atividade física regular e gerenciamento do estresse para ajudar a controlar a inflamação e manter o bem-estar geral.

Com isso, o principal objetivo do tratamento é obter remissão clínica confirmada por exame endoscópico, sem a necessidade de iniciar tratamento com corticosteróides. Entretanto, por impactar de forma direta e positiva na melhora dessa doença, a manutenção de uma dieta rica em nutrientes e vitaminas é essencial.

Dieta Mediterrânea no Tratamento da Retocolite Ulcerativa

O estudo sistemático Nutrition and Supplementation in Ulcerative Colitis concluiu que a dieta mediterrânea, um dos modelos dietéticos mais seguros, seria a mais indicada como tratamento terapêutico para pacientes com retocolite ulcerativa – inclusive sendo recomendada pela Sociedade Europeia de Nutrição Clínica e Metabolismo.

Esta dieta baseia-se em uma alta ingestão de vegetais e frutas, bem como leguminosas e grãos integrais, que são ricos em antioxidantes e fibras alimentares. Além disso, também inclui alimentos como nozes, peixes e azeite, o que a caracteriza abundante em ácidos graxos monoinsaturados e poliinsaturados. 

A adesão à dieta mediterrânea, conforme demonstrado cientificamente, melhora a relação entre microorganismos patogênicos, como Firmicutes Eschericha coli, e bactérias benéficas, incluindo Bifidobacterium Bacteroides fragilis. Além de ser observado uma melhora significativa na qualidade de vida e nos indicadores de desnutrição e de índices antropométricos correlacionados com esteato-hepatite e síndrome metabólica. 

Componentes Importantes da Dieta Mediterrânea

Diante do quadro de retocolite ulcerativa, devem ser priorizados os vegetais e as frutas fontes de fibras solúveis em água, evitando os de fibras insolúveis. Isso porque, além de serem ricos em vitaminas e minerais, a fração solúvel em água, incluindo inulina, pectina, gomas e beta-glucanos, não irritam a mucosa colônica, enquanto estimulam o crescimento de microrganismos produtores de ácido butírico e ácido propiônico no lúmen do intestino grosso

Além disso, O azeite de oliva juntamente aos ácidos graxos ômega-3 nos peixes, como DHA e EPA, são componentes que desempenham um papel extremamente importante na prevenção do desenvolvimento de inflamação nos intestinos e câncer, além de interagirem diretamente com trato intestinal durante a absorção, produzindo ativos muito benéficos para o organismo.  

No entanto, a dieta mediterrânea também é vasta em especiarias e ervas, como a cúrcuma, que apresentam atividade anti-inflamatória, antioxidante, antifúngica e antimicrobiana, pode aumentar a apoptose celular e possui propriedades anticancerígenas. Estudos demonstraram que a combinação de tratamento farmacológico para pacientes com retocolite ulcerativa com suplementação de curcumina pode melhorar os índices de atividade da doença, reduzir o risco de exacerbação recorrente e aliviar os sintomas da doença.

Por fim, a inclusão de os produtos lácteos fermentados, a exemplo do iogurte, contendo bactérias do ácido lático, podem ser um componente funcional na prevenção e tratamento da DII, pois modificam a secreção de compostos biologicamente ativos alterando a função do sistema imunológico. Estudos recomendam a inclusão de duas porções (125 g/d) desses alimentos na dieta de pacientes com retocolite ulcerativa para efeitos positivos. 

Prática Clínica

É recomendado que o nutricionista prescreva um plano alimentar baseado na dieta mediterrânea uma vez que tem mostrado resultados mais promissores no tratamento de pacientes com retocolite ulcerativa devido ao seu alto teor de alimentos biologicamente ativos que contribuem diretamente na saúde intestinal.

Para sua prática clínica, deve-se prescrever especificamente frutas e vegetais fontes de fibras solúveis em água, como beterraba, batata, cenoura e abobrinha, que podem ser consumidos cozidos e, se bem tolerados, crus.  No entanto, outros ricos em fibra dietética da fração insolúvel em água, como brócolis e pimentão, devem ser fervidos e transformados em purê ou misturados. O mesmo deve ser feito ao incorporar frutas ao cardápio. 

Além disso, prescrever duas porções (125 g/d) de alimentos lácteos fermentados na dieta é indicado para que seu paciente tenha os sintomas da retocolite ulcerativa abrandados. Os mesmos benefícios podem ser desfrutados pelo seu paciente na presença de uma dieta que contenha alimentos fontes de gorduras boas, como azeite, e de ácidos graxos ômega-3 presentes nos peixes.

Para que o tratamento de seu paciente seja efetivo, cabe à você, nutricionista e profissional da saúde, esclarecer para ele que alimentos como carne vermelha, carnes processadas, álcool, açúcar, adoçantes e frituras, devem ser evitadas uma vez que intensificam os sintomas da doença.

Referência Bibliográficas

Artigo: Nutrição e suplementação para tratar s retocolite ulcerativa – Radziszewska M, Smarkusz-Zarzecka J, Ostrowska L, Pogodziński D. Nutrition and Supplementation in Ulcerative Colitis. Nutrients. 2022 Jun 14;14(12):2469. doi: 10.3390/nu14122469. PMID: 35745199; PMCID: PMC9231317.

Classifique esse post

9 visualizações

Comments


bottom of page