top of page
  • Foto do escritorKcal da Science Play

Suplementação de Coenzima Q10: Eficácia, Segurança e Desafios de Formulação

A suplementação dietética tem sido amplamente explorada como uma abordagem para promover a saúde e prevenir doenças. Dentre os suplementos mais consumidos, a coenzima Q10 (CoQ10) ganhou destaque devido às suas potenciais propriedades terapêuticas em várias doenças não transmissíveis, como doenças cardiovasculares, neurodegenerativas, câncer, diabetes, deficiências de CoQ10, enxaqueca, entre outras.



Table of ContentsToggle

Coenzima Q10 

A CoQ10 desempenha um papel essencial na síntese de energia celular na forma de ATP e também atua como um potente antioxidante lipofílico. Embora seja sintetizada endogenamente pelo organismo humano, é encontrada em tecidos de origem vegetal e animal presentes em nossa dieta, fatores diversos podem reduzir suas concentrações fisiológicas. Deficiências de CoQ10 foram relatadas em certas doenças e condições em que o estresse oxidativo desempenha um papel significativo, mas ainda não se sabe se a deficiência é uma causa ou uma consequência.

Diversos estudos clínicos têm demonstrado efeitos benéficos da administração oral de CoQ10 em diferentes doenças associadas a baixos níveis de CoQ10 e alto estresse oxidativo. Isso levou ao aumento da demanda do consumidor por suplementos de CoQ10. Além disso, com o envelhecimento da população e a tendência de vida saudável, os consumidores estão cada vez mais conscientes dos ingredientes presentes em sua alimentação e de suas propriedades. Por essa razão, os suplementos alimentares estão se destacando como uma das categorias de saúde que mais crescem.

Coenzima Q10 vs. Indústria Farmacêutica

No entanto, apesar dos benefícios potenciais da suplementação de CoQ10, existem desafios significativos relacionados à eficácia, segurança e formulação desse composto. São necessários mais estudos para esclarecer o papel da CoQ10 e o regime terapêutico ideal no tratamento de diferentes condições de saúde. Além disso, investigações adicionais sobre propriedades físico-químicas, farmacocinética, estabilidade e eficácia são necessárias para aprofundar o conhecimento sobre a CoQ10 e permitir que formuladores melhorem suas propriedades por meio de diferentes técnicas.

A solubilidade, estabilidade e biodisponibilidade da CoQ10 são preocupações que limitam seu uso em suplementos alimentares e produtos medicinais. Portanto, pesquisas adicionais são necessárias para superar essas questões. Por fim, embora ainda haja evidências insuficientes para concluir a eficácia da CoQ10 em diferentes indicações terapêuticas, é importante ressaltar que a suplementação de CoQ10 é segura e bem tolerada em doses muito superiores às recomendadas, com poucas interações medicamentosas e efeitos colaterais mínimos. No entanto, pessoas com certas condições de saúde e que estão em tratamento devem consultar um profissional de saúde antes de usar a CoQ10.

Em resumo, a suplementação de CoQ10 apresenta um potencial promissor como terapia complementar em diversas doenças. No entanto, são necessárias mais pesquisas para entender completamente sua eficácia, segurança e como melhorar sua formulação. A ampliação do conhecimento científico nessa área é essencial para atender às demandas dos consumidores e permitir uma abordagem baseada em evidências na utilização da CoQ10 como um suplemento dietético eficaz e seguro.

Prática Clínica

A suplementação de coenzima Q10 (CoQ10) tem sido considerada como uma abordagem terapêutica complementar em várias condições de saúde. Estudos clínicos têm sugerido que a CoQ10 pode ter efeitos benéficos em doenças cardiovasculares, neurodegenerativas, câncer, diabetes, deficiências de CoQ10, enxaqueca e desempenho atlético, entre outras. 

Referências Bibliográficas

Assista o vídeo na Science Play com Marcelo Carvalho: Interconexão entre mitocôndrias, sistema imune e esporte 

Artigo: Coenzima Q10 – Arenas-Jal M, Suñé-Negre JM, García-Montoya E. Coenzyme Q10 supplementation: Efficacy, safety, and formulation challenges. Compr Rev Food Sci Food Saf. 2020;19(2):574-594. doi:10.1111/1541-4337.12539

Classifique esse post

11 visualizações

Comments


bottom of page