top of page

Tratamentos Minimamente Invasivos para Fibroides Uterinos

Os fibroides uterinos, também chamados de miomas, são tumores benignos comuns do útero, causados pelo crescimento anormal de tecido muscular liso, influenciado por hormônios sexuais como o estrogênio. Eles afetam principalmente mulheres no final do período reprodutivo. Embora não sejam cancerígenos, podem causar sintomas graves, como dor, sangramento menstrual intenso e problemas de fertilidade, impactando negativamente a qualidade de vida.

 

Nesse contexto, o tratamento dos miomas varia conforme os sintomas e os objetivos reprodutivos. Opções médicas, como análogos hormonais, podem reduzir o tamanho dos miomas, mas apresentam efeitos colaterais significativos. Por outro lado, os procedimentos cirúrgicos, como a histerectomia, são comuns para casos graves, mas envolvem riscos. A embolização da artéria uterina (EAU) é uma alternativa minimamente invasiva que reduz os sintomas ao bloquear o fluxo sanguíneo para os miomas, preservando o útero, mas também pode ter complicações, como a síndrome pós-embolização e insuficiência ovariana prematura.

 

O que é Embolização da Artéria Uterina?

 

A EAU é um procedimento médico minimamente invasivo utilizado no tratamento de condições ginecológicas, como miomas uterinos e sangramento uterino anormal. Durante esse procedimento, um radiologista intervencionista insere um cateter na artéria femoral e o guia até as artérias uterinas. Em seguida, são injetadas pequenas partículas embólicas nas artérias uterinas, o que leva à interrupção do fluxo sanguíneo para os miomas ou para o útero, dependendo da condição tratada.

 

O objetivo da embolização da artéria uterina é reduzir o tamanho dos miomas uterinos ou controlar o sangramento uterino anormal, preservando ao máximo a fertilidade e evitando a necessidade de cirurgia invasiva, como a histerectomia. As partículas embólicas bloqueiam o suprimento sanguíneo para os miomas, fazendo com que encolham ao longo do tempo. No caso do sangramento uterino anormal, a redução do fluxo sanguíneo pode ajudar a controlar os sintomas.

 

EAU vs. Fibroides Uterinos

 

O procedimento de embolização da artéria uterina geralmente é realizado sob anestesia local ou sedação leve e é considerado seguro e eficaz na maioria dos casos. Após a embolização, pode ocorrer um período de dor abdominal, cólicas e sangramento vaginal por alguns dias, mas esses sintomas geralmente diminuem com o tempo. É importante que as pacientes sigam as orientações médicas pós-procedimento para garantir uma recuperação adequada.

 

Embora a embolização da artéria uterina seja uma opção promissora para o tratamento de certas condições ginecológicas, nem todas as pacientes são candidatas ideais para o procedimento. É essencial que as mulheres discutam suas opções de tratamento com um médico especializado, levando em consideração sua condição específica, histórico médico e objetivos de saúde a longo prazo.

 

Síndrome Pós-Embolização Uterina

 

A síndrome pós-embolização (PES), que ocorre após EAU, é um fenômeno iatrogênico cuja etiologia permanece parcialmente compreendida. Sua origem é postulada como resultado da liberação de produtos de degradação e mediadores inflamatórios após a necrose do tecido dos fibroides, induzida pela embolização. Os sintomas incluem febre oscilante, dor pélvica ou abdominal, e alterações nos níveis de células sanguíneas. São necessários mais estudos para elucidar completamente os mecanismos subjacentes à síndrome. Além disso, há evidências de que o tamanho dos fibroides pode influenciar a gravidade dos sintomas.

 

No entanto, estudos recentes exploraram biomarcadores e fatores associados à PES, como plaquetas elevadas e leucocitose, para prever e compreender melhor o desenvolvimento dessa síndrome. Enquanto a isquemia miometrial parece correlacionar-se com a gravidade da dor, a relação entre o tamanho do mioma e a ocorrência de PES ainda não está completamente esclarecida. Embora a EAU continue sendo uma opção atrativa para mulheres sintomáticas com fibroides uterinos, a compreensão aprofundada da PES é crucial para garantir uma abordagem terapêutica eficaz e minimizar seus potenciais efeitos adversos.

 

Prática Clínica

 

Ao considerar a embolização da artéria uterina (EAU) como tratamento para fibroides uterinos, é essencial estar ciente da síndrome pós-embolização (PES), uma resposta inflamatória rara causada pela necrose dos tecidos fibroides. Estudos identificaram biomarcadores como plaquetas elevadas e leucocitose para prever e manejar a PES, mas a relação entre o tamanho dos miomas e a síndrome ainda precisa ser elucidada. Uma avaliação cuidadosa do paciente antes do procedimento é fundamental. Embora a EAU seja uma opção atraente, compreender a PES é crucial para garantir a segurança e eficácia do tratamento.

 

Continue Estudando...

 

 

 

 

Referências Bibliográficas

 

WALDRON, Michael G.; KASSAMANI, Yara W.; O’MAHONY, Alexander T.; O’MAHONY, Siobhain M.; O’SULLIVAN, Orfhlaith E.; POWER, Stephen P.; SPENCE, Liam; MAHER, Michael M.; O’CONNOR, Owen J.; BUCKLEY, Maria M..Uterine Artery Embolisation of Fibroids and the Phenomenon of Post-Embolisation Syndrome: a systematic review. Diagnostics, [S.L.], v. 12, n. 12, p. 2916, 23 nov. 2022. MDPI AG.

Comentarii


bottom of page