top of page

Ultraprocessados, Intestino e Cérebro: Qual a Relação?

Em 2024, um estudo revelador foi publicado, trazendo à tona evidências contundentes de que o consumo de alimentos ultraprocessados está diretamente ligado ao desenvolvimento de depressão, além de causar notáveis alterações intestinais e metabólicas. Neste período de recuperação pós-pandêmica, a sociedade encontra-se mergulhada em um estado de medo persistente, o que tem fomentado um crescente desejo por fast foods e alimentos repletos de gorduras trans.


Status Sociais e Ultraprocessados


É alarmante perceber que, no cenário atual, o consumo de alimentos ultraprocessados é frequentemente associado a um símbolo de status social, enquanto a escolha por alimentos naturais e nutritivos é marginalizada. Estudos têm demonstrado que o risco de doenças cardiovasculares aumenta significativamente com a ingestão de microplásticos, uma contaminação comum encontrada em alimentos ultraprocessados.


O que é o "Leaky Gut"?


A síndrome do intestino permeável, também conhecida como "leaky gut", é uma condição resultante da endotoxemia, destacando a importância da integridade da barreira intestinal para a manutenção da saúde geral. O ambiente ácido natural do estômago é essencial para a correta desnaturação das proteínas, sendo esse equilíbrio ácido ameaçado pelo consumo de alimentos ultraprocessados e bebidas açucaradas, que podem alterar adversamente o microbioma intestinal.


Para assegurar a funcionalidade do sistema imunológico através da conexão bidirecional intestino-cérebro, é fundamental que a barreira intestinal se mantenha íntegra. Esta conexão é mediada pelas vilosidades intestinais, cuja integridade é comprometida em condições de inflamação intestinal, resultando em um aumento da sensação de fome.


Correlação entre Distúrbios Neuropsiquiátricos e a Saúde Gastrointestinal

A correlação entre distúrbios neuropsiquiátricos e a saúde gastrointestinal é amplamente influenciada pelo aumento do fator de necrose tumoral alfa (TNF-alfa). O tecido linfoide associado ao intestino (GALT) desempenha um papel vital no equilíbrio entre o cérebro e os intestinos, sendo ativado pela presença de microrganismos no lúmen intestinal.


Uma dieta equilibrada e saudável é capaz de restabelecer a homeostase, enriquecendo a diversidade de bactérias benéficas no intestino e melhorando significativamente a saúde mental. Os probióticos atuam sobre as células dendríticas, produzindo IL-10 e diminuindo os níveis de inflamação.


Eficácia de Probióticos no Tratamento de Depressão


Metanálises robustas confirmam a eficácia dos probióticos no tratamento da depressão. Enquanto os alimentos ultraprocessados contribuem para o desenvolvimento do "leaky gut", os probióticos desempenham um papel chave na reparação dessa condição.


Compostos Fenólicos x Aditivos Alimentares


Os compostos fenólicos, presentes em abundância em alimentos naturais, reforçam a integridade das "tight junctions" do intestino, em contraste com os aditivos alimentares encontrados em refrigerantes, que comprometem essa estrutura vital. Surpreendentemente, o Brasil lidera o ranking mundial de consumo per capita de bebidas açucaradas, ricas em frutose artificial, que quando consumidas em excesso, contribuem para uma dieta rica em FODMAPs, provocando distensão abdominal devido ao efeito fermentativo e impactando negativamente o cérebro.


Dieta Neuroprotetora: FODMAPs e Alimentos In Natura


Para atenuar os efeitos nocivos no cérebro, é recomendada a adoção de uma dieta pobre em FODMAPs e rica em alimentos in natura, com ênfase no consumo de frutas, verduras e legumes. Essa abordagem alimentar não só promove a saúde intestinal, mas também oferece uma defesa natural contra os efeitos deletérios dos alimentos ultraprocessados.


Suplementação


A suplementação com Ômega 3, particularmente na forma de EPA em doses de no mínimo 1g/dia, tem mostrado ser eficaz na redução da endotoxemia intestinal e no fomento da fosfatase alcalina intestinal, essencial para a diminuição do TNF-alfa. Essa substância é importante tanto para a saúde intestinal quanto para a plasticidade neural. Além disso, a proporção correta de EPA e DHA, juntamente com a monitoração da vitamina B12, é crucial para o tratamento eficaz.


A cúrcuma, em doses de 500 a 1500 mg contendo pelo menos 90% de curcumina, tem sido reconhecida por sua capacidade de diminuir a inflamação de baixo grau e oferecer melhorias significativas nos quadros de depressão.


Diante da intolerância à histamina, presente em alimentos como queijos, chocolates e vinhos, o uso de enzimas digestivas pode ser uma estratégia eficiente para minimizar os sintomas decorrentes. Curiosamente, o trigo, uma importante fonte de FODMAPs devido ao seu alto teor de frutano, pode representar um desafio alimentar maior do que o glúten para algumas pessoas.


Prática Clínica


É fundamental que a comunidade científica e os profissionais de saúde continuem a explorar e a promover estratégias dietéticas e terapêuticas que visem não apenas o tratamento, mas também a prevenção de distúrbios metabólicos e neuropsiquiátricos.


Continue Estudando...





Referências Bibliográficas


Lane MM, Gamage E, Du S, Ashtree DN, McGuinness AJ, Gauci S, Baker P, Lawrence M, Rebholz CM, Srour B, Touvier M, Jacka FN, O'Neil A, Segasby T, Marx W. Ultra-processed food exposure and adverse health outcomes: umbrella review of epidemiological meta-analyses. BMJ. 2024 Feb 28;384:e077310. doi: 10.1136/bmj-2023-077310. PMID: 38418082; PMCID: PMC10899807.

Comments


bottom of page