top of page
  • Foto do escritorKcal da Science Play

Castanhas para Saúde Gastrointestinal

Castanhas são alimentos ricos em nutrientes contendo lipídios saudáveis, fitonutrientes benéficos e uma variedade de vitaminas e minerais essenciais. Depois dos cereais, as castanhas são o grupo de alimentos vegetais com maior teor de fibras dietéticas, o que as tornam únicas.

Como as nozes resistem à digestão no trato gastrointestinal superior, sua estrutura celular retém lipídios intactos e polifenóis que desempenha um papel fundamental na forma como são metabolizados pela microbiota intestinal para formar moléculas bioativas que podem beneficiar a saúde humana. 

Além disso, as castanhas são normalmente incluídas em diferentes padrões alimentares saudáveis ​​e, como parte da Dieta Mediterrânea, um padrão alimentar amplamente reconhecido como uma estratégia nutricional que melhora a saúde cardiometabólica. 



Table of ContentsToggle

Papel das Castanhas na Saúde Intestinal

Existem muitos compostos polifenólicos encontrados nas castanhas. Embora esses compostos sejam geralmente mal absorvidos, eles têm uma ampla gama de efeitos antibacterianos, anti inflamatórios e anticancerígenos. Essas propriedades são de interesse em como elas podem afetar a microbiota intestinal do hospedeiro. A seguir você vai entender mais sobre o efeito das castanhas nos produtos finais do metabolismo microbiano e seus benefícios para o corpo humano.

Ácidos Graxos de Cadeia Curta e Castanhas

Os ácidos graxos de cadeia curta incluem acetato, butirato e propionato. Eles são um produto final microbiano da fermentação da fibra. Esses ácidos graxos de cadeia curta podem ser usados ​​como substrato energético pelos micróbios ou hospedeiros. Os ácidos graxos de cadeia curta podem bloquear processos inflamatórios e aumentar a função de barreira epitelial, por exemplo.

Um estudo mostrou que a combinação de diferentes castanhas (56 g/d) promoveu uma concentração maior de butirato fecal. Em um outro estudo com 63 indivíduos alimentados com 25 g/d de amendoim, 32 g/d de manteiga de amendoim por 6 meses, aumentou a concentração fecal de acetato, propionato e butirato. Em um recente estudo de curto prazo com castanhas, um consumo de 3 dias em indivíduos saudáveis ​​modificou o microbioma intestinal, ao mesmo tempo em que aumentou os níveis de ácidos graxos de cadeia curta. 

Ácidos biliares e Castanhas

Os ácidos biliares primários são produzidos no fígado, enquanto os ácidos biliares secundários são produzidos no intestino grosso por metabolismo bacteriano. Através desses mecanismos celulares, os ácidos biliares secundários têm sido implicados em várias etiologias de doenças, incluindo vários tipos de câncer, doença inflamatória intestinal, doença cardiovascular e doença hepática gordurosa não alcoólica.

Um estudo mostrou que após o consumo da dieta contendo castanhas (42 g/d), a concentração dos ácidos biliares secundários foi significativamente menor. Essas mudanças mediadas por nozes na concentração de ácidos biliares aumentam a possibilidade de que as nozes possam afetar múltiplas vias de sinalização celular.

Consumo de Castanhas e Doenças Gastrointestinais

Extensas pesquisas foram realizadas para determinar se as castanhas podem contribuir para a minimizar o surgimento de doenças gastrointestinais, particularmente no que diz respeito à colite ulcerativa e ao câncer, mostrando que os constituintes das castanhas contribuem para a diminuição da inflamação na mucosa intestinal. 

Finalmente, descobriu-se que as frações de castanhas protegem contra o desenvolvimento de lesões da mucosa gástrica, incluindo gastrite, úlcera gástrica e carcinoma gástrico. Um estudo relatou os efeitos gastroprotetores e preventivos do câncer dos constituintes da noz na inflamação induzida pelo álcool, com menos lesões gástricas e diminuição da inflamação gástrica associada à diminuição das citocinas inflamatórias. 

Prática Clínica

Os nutrientes e fitoquímicos presentes na castanha não são digeridos no trato gastrointestinal superior e podem atingir o cólon, onde são fermentados pela microbiota intestinal. Dessa forma, promovem um efeito antibacterianos, anti inflamatório e anti cancerígenos capaz de melhorar a permeabilidade intestinal e consequentemente promover saúde para o corpo humano. 

Referências Bibliográficas 

Assista o vídeo na Science Play com Karina Al Assal  : Eixo intestino e cérebro, estratégias na prática

Artigo: Mandalari G, Gervasi T, Rosenberg DW, Lapsley KG, Baer DJ. Effect of Nuts on Gastrointestinal Health. Nutrientes . 2023; 15(7):1733. https://doi.org/10.3390/nu15071733

Classifique esse post

2 visualizações

Comentários


bottom of page