top of page

Cinco Suplementos para Fertilidade Feminina

Você sabia que a suplementação dietética pode atuar como verdadeiro aliado da fertilidade feminina? Em busca de melhorar as chances de uma gravidez de sucesso, uma ampla gama de suplementos dietéticos são propostos nos dias atuais. Para saber quais são esses suplementos, como atuam no organismo e seu potencial efeito benéfico, um estudo de revisão foi realizado na Itália para avaliar o efeito dos nutracêuticos em vários resultados reprodutivos femininos e detectar quais seriam os mais indicados.



Table of ContentsToggle

O que pode gerar dificuldades na fertilidade feminina?

A capacidade reprodutiva reduzida da mulher está relacionada às mais variadas causas e, segundo estudos, a infertilidade vem crescendo de forma exponencial nos últimos tempos, se tornando uma das principais causas das quais casais não conseguem engravidar. 

A fertilidade feminina é definida como a capacidade natural que a mulher possui para gerar um filho biológico atraves de relações sexuais desprotegidas. Essa capacidade de concepção depende diretamente do adequado funcionamento de seu organismo, notadamente das devidas flutuações hormonais cíclicas de seu sistema reprodutivo, as quais podem ser impactadas por diversos fatores: idade, estilo de vida, questões ambientais ou até mesmo disfunções em sua saúde.

Assim, uma infinidade de condições sistêmicas e ginecológicas pode afetar o sistema reprodutor feminino e potencialmente levar à infertilidade, incluindo síndrome do ovário policístico (SOP), endometriose, falência ovariana prematura, doença inflamatória pélvica, entre outras. 

Dentre as causas, a mais comum de gerar infertilidade feminina é a disfunção ovulatória. Segundo o estudo, distúrbios ovulatórios respondem por aproximadamente 25% dos diagnósticos de infertilidade, em que 70% das mulheres com anovulação têm SOP. Embora a etiologia da SOP e de diversos outros problemas no sistema reprodutor sejam complexos e controversos, vários nutrientes têm sido propostos como novas estratégias terapêuticas para pacientes inférteis.

Quais os suplementos mais eficazes?

O uso de suplementos dietéticos para combater a infertilidade feminina tem propósito de suprir a deficiência dessas substâncias ou atingir a dose ideal (ou seja, minerais, vitaminas, carboidratos, ácidos graxos e proteínas) que podem exercer um potencial efeito positivo em diferentes alvos de fertilidade, como equilíbrio hormonal, ovulação, qualidade do oócito, qualidade do embrião e, esperançosamente, na probabilidade de alcançar a gravidez.

Segundo o estudo, dez dos vinte e quatro suplementos analisados (41,7%) resultaram em uma eficácia mais alta, enquanto oito (34,3%) em uma de menor eficácia. Além disso, o estudo alertou para a adequada composição dos ativos e sua respectiva dosagem, uma vez que muitos dos suplementos comercializados como possível tratamento para infertilidade feminina continham pelo menos um ou mais componentes sem efeito comprovado ou, os de eficácia comprovada, sendo frequentemente subdosados. 

Confira abaixo os cinco melhores suplementos que poderão ser utilizados para fomentar a fertilidade feminina:

Fertilidade e Mio-inositol

O mio-inositol é uma das isoformas mais comuns de serem encontradas nas células eucariontes da família dos álcoois chamado inositóis, sendo uma vitamina do complexo B. Essa molécula participa de uma variedade de funções e vias de sinalização importantes em nosso organismo, incluindo reprodução, crescimento e sobrevivência. 

Em relação à fertilidade da mulher, ele atua facilitando os processos ovulatórios por meio da sensibilização à insulina, regulando uma série de hormônios e, consequentemente, o ciclo menstrual. 

Além disso, ele também ensejaria uma maior qualidade na maturação e desenvolvimento do embrião. Estudos indicam o uso diário de 4 g/dia de mio-inositol para promover sua atuação como um agente sensibilizador de gonadotropina coriônica (HCG) ao nível do ovário.

Fertilidade e Ácido fólico

O ácido fólico é um tipo de vitamina B solúvel em água e é importante para a síntese de proteínas, divisão de eritrócitos e crescimento. Mulheres de baixa fertilidade apresentaram maior taxa de gravidez após receberem 400 mg/dia de consumo de ácido fólico. Sugere-se que a mulher inicie com a suplementação de ácido fólico pelo menos um mês antes de engravidar e continue tomando a vitamina até o final do primeiro trimestre de gestação.

O consumo de ácido fólico auxilia no período pré-concepcional de mulheres, prevenindo os defeitos de fechamento do tubo neural, estrutura embrionária que dará origem ao cérebro e à medula espinhal do feto, apresentando também melhoras na qualidade e na maturação dos oócitos.

Fertilidade e CoenzimaQ10

A Coenzima Q10, mais conhecida por CoQ10, é um eliminador de radicais livres que atua como um agente antioxidante na cadeia respiratória mitocondrial de todas as células, desempenhando um papel crucial na regulação do metabolismo energético. 

Em relação à fertilidade da mulher, a CoQ10 apresenta importante função na proteção dos gametas femininos contra o estresse oxidativo, levando em consideração seu nível de concentração no fluido folicular que diminui com a idade. 

A produção de energia mitocondrial dos óvulos decresce com o avançar dos anos e, consequentemente, muitos processos de maturação tornam-se deficientes. Isso significa que a suplementação de CoQ10 representa um indicador na melhora da qualidade oocitária, sugerindo um papel potencial desta molécula na prevenção e combate da infertilidade feminina. 

Fertilidade e Melatonina

A melatonina apresenta uma larga gama de funções biológicas em nosso organismo, incluindo regulação de ritmos biológicos, reprodução, funções imunológicas e metabólicas. Com relação à fertilidade feminina, a suplementação de melatonina demonstrou exercer um efeito positivo na qualidade do oócito e do embrião e na função lútea, reduzindo os danos oxidativos no fluido folicular.

Por essas razões, atualmente é considerado um suplemento promissor no auxílio do tratamento da infertilidade feminina. Para a melatonina, o estudo sugere uma dose diária de 3 mg.

Fertilidade e Vitamina D

A vitamina D é um hormônio esteróide solúvel em gordura com várias funções fisiológicas no sistema reprodutor feminino. Primeiramente, este hormônio modula o recrutamento folicular através da regulação da secreção do hormônio anti-Mulleriano. 

O anti-Mulleriano é produzido pelas células do ovário responsáveis por regular o desenvolvimento e o crescimento dos folículos, além de sinalizar em exames a reserva ovariana que a mulher possui disponível para fecundação.

Estudos recentes vêm sinalizando possíveis efeitos benéficos a partir da suplementação de Vitamina D nos marcadores de reservas ovarianas em mulheres. Dessa forma, a suplementação da Vitamina D pode ser considerada como ferramenta no auxílio do tratamento de fertilidade para pacientes com Diminuição da Reserva Ovariana (DRO), uma vez que aumenta principalmente os níveis do hormônio anti-Mulleriano e de folículos antrais.

Recapitulando Informações 

A fertilidade da mulher é constantemente impactada por diversos fatores. Em busca do sucesso de uma gestação em meio a um cenário em que cada vez se mostra mais difícil engravidar, estudos vêm sendo desenvolvidos em busca de compreender quais principais suplementações poderiam auxiliar no tratamento da infertilidade. 

Nesse contexto, mio-inositol, ácido fólico, CoQ10, melatonina e vitamina D se apresentam como cinco suplementações interessantes de serem utilizadas  e que podem auxiliar na fertilidade feminina. Ressalta-se que tais suplementos devem ser associados com uma alimentação saudável, atividades físicas regulares e sono regulado para que de fato possam auxiliar no resultado almejado.

Prática Clínica

Dado o efeito positivo da suplementação na fertilidade, é crucial que o profissional aconselhe seu paciente a fazer utilização destes compostos bioativos. Sugere-se a utilização da suplementação de mio-inositol, ácido fólico, CoQ10, melatonina e vitamina D como meios de potencializar o sucesso de uma gestação. 

Em sua prática clínica, atentar-se para as dosagens ideais de cada componente é essencial. Dessa forma, o  uso diário de 4 g/dia de mio-inositol, dose diária de 3 mg de melatonina e 400 mg/dia de consumo de ácido fólico são quantidades recomendadas de serem suplementadas. 

Referências Bibliográficas

Assista o vídeo com Fernanda Padovani na Science Play: Nutrição e Fertilidade da Mulher

Artigo: Suplementos dietéticos para infertilidade feminina: uma revisão crítica de sua composição – Vitagliano A, Petre GC, Francini-Pesenti F, De Toni L, Di Nisio A, Grande G, Foresta C, Garolla A. Dietary Supplements for Female Infertility: A Critical Review of Their Composition. Nutrients. 2021 Oct 11;13(10):3552. doi: 10.3390/nu13103552. PMID: 34684554; PMCID: PMC8541636.

Classifique esse post

9 visualizações

Yorumlar


bottom of page