top of page
  • Foto do escritorKcal da Science Play

Disruptores Endócrinos, Microbiota Intestinal e Distúrbios Metabólicos: Qual a relação?

Os distúrbios metabólicos, incluindo a obesidade e o diabetes tipo 2, têm alcançado proporções epidêmicas em todo o mundo. Pesquisas recentes destacam o papel potencial dos disruptores endócrinos encontrados em nossos alimentos e meio ambiente na contribuição para o aumento dessas condições. Uma revisão sistemática recente investigou as interações entre os disruptores endócrinos, a microbiota intestinal e distúrbios metabólicos.



Table of ContentsToggle

Desdobramentos dos Disruptores Endócrinos na Saúde

Uma revisão sistemática revelou que a exposição aos diruptores endócrinos induz disbiose, alterando a composição da microbiota intestinal. Além disso, o estudo constatou que a exposição desencadeia a ativação de vias xenobióticas, resultando na expressão de genes, enzimas e metabólitos associados ao metabolismo. 

Os pesquisadores também estão se esforçando para determinar os efeitos cumulativos e combinados de diversos disruptores e as espécies bacterianas associados à toxicidade deles na microbiota intestinal. Além disso, explorar o impacto da exposição na microbiota intestinal é essencial para compreender as possíveis consequências a longo prazo da exposição crônica. É possível observar que a idade e o sexo do hospedeiro podem influenciar a resposta da microbiota intestinal ao contato com essas substâncias. Portanto, realizar mais pesquisas com faixas de doses mais amplas e analisar dados ao longo de períodos mais extensos é necessário para identificar as origens dos efeitos dependentes do sexo usando diferentes janelas de exposição.

Sendo assim, temos que a interação entre disruptores endócrinos, microbiota intestinal e distúrbios metabólicos é um campo de estudo complexo e em constante evolução. A literatura atual oferece uma base para compreender os impactos na saúde intestinal e seus efeitos no metabolismo. No entanto, pesquisas contínuas nessa área têm grande potencial para identificar  intervenções eficazes no combate à crescente prevalência de doenças metabólicas.

Disruptores Endócrinos e Distúrbios Metabólicos 

Disruptores endócrinos são compostos químicos que interferem no sistema endócrino, imitando ou bloqueando hormônios e perturbando funções fisiológicas normais. Muitos desses encontram seu caminho para o nosso corpo através da dieta, desencadeando uma cascata de mudanças que afetam a saúde intestinal. Com isso, estes têm sido associados ao aumento da incidência de distúrbios metabólicos. Foi proposto que eles podem aumentar a suscetibilidade a esses distúrbios, alterando as vias homeostática e hedônica do tecido adiposo, pâncreas, fígado, trato gastrointestinal, músculo e cérebro . No entanto, poucos estudos relatam que os efeitos na microbiota intestinal podem aumentar o risco de distúrbios metabólicos, como obesidade e diabetes. 

À medida que a microbiota intestinal metaboliza, produtos e subprodutos são liberados, que podem ser absorvidos pelo hospedeiro e exercer efeitos significativos sobre o metabolismo e o desenvolvimento de doenças metabólicas. Embora esta revisão sistemática forneça informações valiosas sobre as conexões entre os disruptores e a microbiota intestinal, ainda existem várias áreas que requerem mais investigação. Compreender as respostas específicas de diferentes espécies dentro da microbiota intestinal é crucial, assim como identificar os mecanismos de ação comuns que esses disruptores compartilham.

Disruptores Endócrinos e Disbiose na Literatura

Evidências emergentes sugerem interações entre os disruptores e o microbioma, o que pode afetar a saúde do hospedeiro. Foi sugerida uma tríade chave entre a exposição, o genótipo do hospedeiro, as respostas fenotípicas e o microbioma intestinal. Os produtos e subprodutos liberados após o metabolismo microbiano dpodem ser absorvidos pelo hospedeiro, tendo impacto na saúde do hospedeiro e no desenvolvimento de doenças. Enzimas microbianas (esterases, tiolases, azoredutases, nitroredutases, β-glucoronidases, metilases, sulfatases, lipases e β-liases) podem ser usadas para metabolizar diferentes tipos disruptoes. A disbiose e uma diversidade reduzida da microbiota intestinal podem causar uma redução na atividade enzimática, o que, por sua vez, pode resultar em uma diminuição da metabolização para suas formas ativas circulantes, reduzindo assim a toxicidade potencial do disruptor para o hospedeiro.

Prática Clínica

A incorporação dos conhecimentos provenientes da pesquisa sobre disruptores endócrinos, microbiota intestinal e distúrbios metabólicos tem o potencial de impactar positivamente a prática clínica. Compreender como os disruptores afetam a microbiota intestinal e, por consequência, o metabolismo do paciente, pode fornecer uma nova abordagem na identificação e tratamento de doenças metabólicas. A abordagem personalizada, levando em conta a microbiota individual do paciente e seu perfil de exposição a disruptores endócrinos, pode abrir caminho para intervenções mais efetivas e direcionadas, visando a prevenção e o tratamento dessas condições cada vez mais evidentes na sociedade moderna.

Referências Bibliográficas 

Assista o vídeo na Science Play com Andreia Friques: Disruptores endócrinos na infância e quais impactos na vida adulta  Gálvez-Ontiveros Y, Páez S, Monteagudo C, Rivas A. Endocrine Disruptors in Food: Impact on Gut Microbiota and Metabolic Diseases. Nutrients. 2020 Apr 21;12(4):1158. doi: 10.3390/nu12041158. PMID: 32326280; PMCID: PMC7231259.

Classifique esse post

2 visualizações

留言


bottom of page