top of page

Medicina esportiva e envelhecimento: como manter a performance ao longo dos anos

O incremento da população idosa é considerado uma das grandes conquistas do século passado. Durante o início do século XX, a expectativa de vida girava em torno de 30 anos, entretanto, esse número mais que dobrou em escala global até o término do século. Ademais, essa trajetória de aumento deverá persistir, pelo menos, até a metade do século atual. 


Diante desse contexto em constante transformação demográfica, destaca-se a importância da atividade física e da prática esportiva para o envelhecimento. Essas atividades desempenham um papel crucial não apenas na saúde física, mas também no bem-estar mental e emocional. Ao promover a mobilidade, a força e a saúde cardiovascular, a atividade física contribui para uma vida mais longa e com melhor qualidade, reforçando assim o protagonismo dos idosos em suas próprias vidas.


Fragilidade e Performance


A fragilidade é uma condição clínica que impacta diversos sistemas essenciais do corpo, abrangendo desde o sistema endócrino até o músculo esquelético. Esta síndrome muitas vezes assinala o início do que é conhecido como o "Ciclo de Fragilidade", desencadeando a sarcopenia e outras disfunções em múltiplos sistemas. Uma compreensão aprofundada de como o processo de envelhecimento interage com as doenças crônicas, resultando na deterioração do funcionamento dos sistemas orgânicos e no desenvolvimento da fragilidade, é crucial para a concepção de estratégias preventivas eficazes.


Originalmente definida como a perda de massa muscular esquelética relacionada à idade, a sarcopenia agora é reconhecida como a diminuição tanto da massa quanto da função muscular em adultos mais velhos. Além disso, o processo de envelhecimento compromete tanto a estrutura quanto a função muscular. A redução da massa muscular resulta em uma sobrecarga nos músculos remanescentes, que são responsáveis pelas atividades diárias. Isso, por sua vez, leva a uma fadiga precoce, acelerando a transição de um estilo de vida independente para um estilo de vida dependente.


Inflamação e Exercício


A inflamação crônica de baixo grau é uma característica do envelhecimento, evidenciada pelo aumento dos níveis de citocinas pró-inflamatórias e redução das citocinas anti-inflamatórias. Essa inflamação crônica desempenha um papel no desenvolvimento de doenças relacionadas à idade e está associada a um maior risco de morbidade e mortalidade entre os idosos, independentemente de sua fragilidade. Vários processos, como o desequilíbrio redox, a senescência e a deterioração da autofagia, desencadeiam essas vias inflamatórias.


Estudos indicam uma ligação entre inflamação crônica e capacidade física em pessoas idosas. Assim, altos níveis de várias citocinas, incluindo IL-6, TNF-α e CRP, bem como aumento de leucócitos, estão relacionados com uma função física deficiente e mobilidade reduzida. Uma pesquisa recente, realizada em uma população idosa, descobriu uma correlação negativa e independente entre os níveis sanguíneos de PCR em homens idosos e sua força de preensão manual e desempenho físico


Intervenções de Treinamento Físico


A capacidade aeróbica, que refere-se à capacidade do coração e dos pulmões de oxigenar os músculos, é crucial para a saúde geral e qualidade de vida. Essa capacidade tende a diminuir com a idade, afetando a capacidade de realizar atividades. O treinamento de resistência tem sido destacado como uma maneira eficaz de melhorar a capacidade aeróbica, aumentando o pico de consumo de oxigênio (VO2 máximo). Isso é especialmente importante para adultos mais velhos, pois melhora a resistência muscular e reduz a fadiga, contribuindo para uma maior independência funcional e qualidade de vida.


Por outro lado, a ênfase no treinamento de resistência é fundamental. Esse tipo de treinamento deve ser priorizado, uma vez que promove aprimoramentos. Uma análise recente de estudos combinados revelou que o treinamento de alta intensidade resultou em melhorias na Short Physical Performance Battery (SPPB), embora não tenha demonstrado efeitos significativos em outras medidas de capacidade funcional. Além disso, observou-se que volumes de treinamento mais reduzidos estão associados a ganhos superiores na potência muscular.


Prática Clínica


A fragilidade é uma síndrome que afeta vários sistemas do corpo, desencadeando disfunções como a sarcopenia. O entendimento de como o envelhecimento interage com doenças crônicas é crucial para a promoção de estratégias preventivas eficazes. Os profissionais da saúde devem estar atentos aos possíveis alertas para tratar da melhor maneira possível.


Além disso, a inflamação crônica associada ao envelhecimento contribui para doenças relacionadas à idade e está ligada à redução da capacidade física em idosos. Intervenções como o treinamento de resistência são fundamentais para melhorar a capacidade aeróbica e a resistência muscular em adultos mais velhos, promovendo independência funcional e qualidade de vida. Estudos destacam que o treinamento de alta intensidade pode resultar em melhorias na funcionalidade física, enquanto volumes menores de treinamento estão associados a ganhos superiores na potência muscular.


Continue Estudando...





Referências Bibliográficas


ANGULO, Javier; ASSAR, Mariam El; ÁLVAREZ-BUSTOS, Alejandro; RODRÍGUEZ-MAÑAS, Leocadio. Physical activity and exercise: strategies to manage frailty. Redox Biology, [S.L.], v. 35, p. 101513, ago. 2020. Elsevier BV.

Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page