top of page

Microbiota Intestinal e Doença Autoimune

Os fatores ambientais e as interações entre o meio ambiente e a genética são agora considerados os principais contribuintes para a autoimunidade. A capacidade da microbiota intestinal de modular a permeabilidade intestinal pode levar à perturbação ou à melhoria da doença, dependendo da patogenicidade da bactéria. Assim, a microbiota foi sugerida como um fator controlável para alterar o curso da doença.

 

Lúpus Eritematoso Sistêmico e Microbiota Intestinal

 

O lúpus eritematoso sistêmico (LES) é uma doença autoimune que envolve a produção de autoanticorpos, causando danos nos tecidos mediado pela inflamação em muitos órgãos, incluindo inflamação renal (nefropatia lúpica) e inflamação cerebral. Além disso, a ocorrência de intestino permeável é comum em pacientes com LES.

 

A composição da microbiota intestinal influencia o estado da doença, atuando como exacerbador, mas não como iniciador. Uma potencial via de suscetibilidade genética para a doença pode levar tanto à autoimunidade quanto a uma microbiota alterada, que, por sua vez, agrava a doença. Por exemplo, o Lactobacillus modula beneficamente a doença. Portanto, o tratamento com Lactobacillus spp. é benéfico para os casos de LES, especialmente quando administrado antes do início da doença.

 

Por outro lado, a disbiose intestinal pode atuar tanto como causa quanto como efeito da autoimunidade. Mutações genéticas na sinalização do receptor de células T (TCR) iniciam a autoimunidade, promovendo a produção de IgG. Essas mutações também promovem a disbiose intestinal, contribuindo para o desenvolvimento do LES.

 

Diabetes Tipo 1 e Microbiota Intestinal

 

O Diabetes Tipo 1 (DT1) é uma doença autoimune caracterizada pela destruição das células β produtoras de insulina nas ilhotas pancreáticas de Langerhans por células T autorreativas. Diversas alterações intestinais têm sido associadas ao DT1, incluindo mudanças na microbiota intestinal, permeabilidade intestinal e inflamação intestinal.

 

Além disso, o pâncreas e os intestinos provavelmente estão conectados linfaticamente, já que o linfonodo duodenal é sinônimo de linfonodo pancreático (PLN). Como esses gânglios linfáticos drenam tanto o pâncreas quanto o duodeno, as alterações homeostáticas intestinais podem impactar diretamente o pâncreas e possivelmente contribuir para a ativação de células T reativas às ilhotas.

 

A permeabilidade intestinal, comumente associada ao DT1, pode ser causada pela redução ou disfunção das proteínas de junção estreita na barreira epitelial intestinal. As células Treg intestinais que produzem IL-10 oferecem proteção contra o DT1, e a suplementação de probióticos pode induzir essas células, prevenindo a doença. O tratamento com probióticos como Lactobacillus acidophilus, Lactobacillus casei, Lactobacillus reuteri, Bifidobacterium bifidum e Streptococcus thermophilus oferece pelo menos uma proteção parcial contra o DT1.

 

Esclerose Múltipla e Microbiota Intestinal

 

A esclerose múltipla (EM) é uma doença inflamatória autoimune do sistema nervoso central (SNC), na qual as células T se tornam reativas contra os autoantígenos da mielina, facilitando a desmielinização e a neurodegeneração. Alterações na microbiota intestinal estão envolvidas na patogênese da EM. O tratamento probiótico com Lactobacillus reuteri, Clostridium butyricum e Prevotella histicola remodela a microbiota, retornando-a ao estado de controle e reduzindo a inflamação no SNC.

 

Prática Clínica

 

O uso de probióticos tem sido explorado como potenciais agentes na melhora das doenças autoimunes. No Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES), por exemplo, o Lactobacillus spp. mostrou benefícios. Para o Diabetes Tipo 1 (DT1), probióticos como Lactobacillus acidophilus, Lactobacillus casei, Lactobacillus reuteri, Bifidobacterium bifidium e Streptococcus thermophiles oferecem proteção. Já na Esclerose Múltipla (EM), o tratamento com Lactobacillus reuteri, Clostridium butyricum e Prevotella histicola tem mostrado resultados promissores ao remodelar a microbiota intestinal e reduzir a inflamação no sistema nervoso central.

 

Continue Estudando...

 

 

 

 

Referências Bibliográficas

 

CHRISTOVICH, Anna; LUO, Xin M.. Gut Microbiota, Leaky Gut, and Autoimmune DiseasesFrontiers In Immunology, [S.L.], v. 13, p. 1, 27 jun. 2022. Frontiers Media SA.

Comments


bottom of page