top of page
  • Foto do escritorKcal da Science Play

Produtos de Glicação Avançada: O que são e como atuam no organismo?

Você sabia que estudos em humanos mostraram a associação entre as concentrações plasmáticas de produtos finais de glicação avançada e distúrbios cardiometabólicos. Mas afinal, o que são esses produtos e qual sua relação com a saúde?



Table of ContentsToggle

Como se Formam os Produtos Finais de Glicação Avançada?

Os Produtos Finais de Glicação Avançada são estáveis ​​e irreversíveis podendo ser gerados endogenamente e exogenamente, a partir da reação não enzimática de Maillard, via poliol e peroxidação lipídica. 

Vale lembrar que as técnicas de cozimento em alta temperatura, como calor seco (por exemplo, assar, grelhar, assar e fritar) podem levar à reação de Maillard.  

Dessa forma, os produtos de glicação avançada obtidos da dieta dependem do tipo de alimento, método de cozimento e grau de processamento na indústria.

Alimentação Rica em Produtos de Glicação Avançada

Alimentos ricos em lipídios e proteínas (por exemplo, particularmente queijo, manteiga e carne vermelha) quando tratados por calor seco produzem uma grande quantidade de produtos finais de glicação avançada. 

Itens alimentícios processados ​​na indústria (por exemplo, produtos de panificação) contêm quantidades consideravelmente altas, enquanto grãos integrais, leite, frutas e vegetais são relativamente baixos.

Glicação e Risco para Saúde 

O conteúdo de glicação avançada circulante em todo o corpo pode ser atribuído pelo equilíbrio entre a síntese de endógena, o seu acúmulo nos tecidos, a absorção exógena via alimentos e a filtração nos rins

Por isso, os níveis plasmáticos de Produtos Finais de Glicação Avançada têm sido usados ​​como biomarcadores para examinar a incidência de distúrbios cardiometabólicos.

Prática Clínica

Uma dieta rica nestes produtos induz distúrbios cardiometabólicos através do aumento das concentrações de glicose e lipídios no sangue, estresse oxidativo, resposta inflamatória, pressão arterial e peso corporal. Além disso, pode alterar negativamente a microbiota intestinal e promover a prevalência de distúrbios cardiometabólicos.

Referências Bibliográficas 

Assista o vídeo na Science Play com Luisa Wolpe: AGEs e saúde metabólica

Artigo: Kim Y. Blood and Tissue Advanced Glycation End Products as Determinants of Cardiometabolic Disorders Focusing on Human Studies. Nutrients. 2023; 15(8):2002. https://doi.org/10.3390/nu15082002

Classifique esse post

2 visualizações

Comentarios


bottom of page