top of page
  • Foto do escritorKcal da Science Play

Pseudociência: Como isso afeta a nutrição?

A indústria fitness cresceu muito nos últimos tempos, seus lucros são derivados de dietas, suplementos, terapias alternativas e milhares de outros produtos/serviços destinados a melhorar a saúde, a recuperação e/ou o desempenho esportivo. Contudo, muitos produtos e serviços são vendidos com alegações infundadas ou exageradas, falsa legitimidade científica e evidências questionáveis ​​de segurança e/ou eficácia . Além disso, há uso generalizado de placebos entre as populações atléticas. Esse tipo de problemática pode gerar empecilhos no trabalho de nutricionistas, psicólogos, médicos do esporte, fisioterapeutas, educadores físicos e outros profissionais da área da saúde.



Table of ContentsToggle

Pseudociência na Performance Esportiva

É indiscutível que os ganhos mais significativos no desempenho são atribuídos a intervenções baseadas em evidências com alto respaldo científico. Porém, produtos mediados por placebo são amplamente utilizados no esporte como auxiliares ergogênicos. Esse tipo de produto tem um efeito muito controverso e variável na performance, por conta que +o acréscimo de desempenho atribuído ao efeito placebo é derivado da crença e expectativa de benefício que um indivíduo tem a um certo produto, e não pelo seu efeito fisiológico por si só.

Tendo isso em vista, os atletas investem nesse tipo de suplemento com objetivo de melhorar sua performance, ao invés de criar estratégias para melhorar suas dietas por meio de uma abordagem mais sustentável e eficiente. Ao vender estratégias que simplesmente “parecem científicas”, os fabricantes de produtos são capazes de explorar ainda mais o público para fins lucrativos. 

Há uma total incongruência entre o conteúdo de muitas alegações comerciais de saúde e bem-estar e as evidências citadas para apoiá-las. Grande parte dos produtos e serviços ofertados pela indústria fitness e de saúde e bem estar são sustentados por evidências extrapoladas de baixa qualidade e com alto risco de viés ou até pela pseudociência. Isso aumenta a propagação de desinformação de conceitos relacionados à nutrição esportiva e ameaça a reputação da ciência do esporte como disciplina.

Outros Malefícios da Pseudociência

A pseudociência pode ser um fator muito agravante na piora da saúde. Muitos produtos e serviços ofertados pela indústria fitness e de saúde e bem-estar, perpetuam a ilusão de que a saúde pode ser obtida sem investir muito tempo ou esforço e que os produtos comerciais podem resolver todos problemas em um curto espaço de tempo, anulando as oportunidades de se envolver com tratamentos seguros e confiáveis, aumentando assim a probabilidade de danos. Exemplificando, algumas dietas moda são respaldadas à base de pseudociência, isso pode levar ao aumento da morbidade, risco de insatisfação com a vida e psicopatologia (por exemplo, compulsão alimentar, restrição alimentar, ansiedade, depressão e distúrbios do sono). Assim, o contínuo investimento de recursos ineficazes (que não tem comprovação científica) pode prejudicar a saúde da população.

Prática Clínica

A importância dos profissionais da saúde é vital para combater esse tipo de problemática. Primeiro, cientistas, acadêmicos e profissionais devem ser mais proativos em desafiar vigorosamente reivindicações infundadas e pseudociência na indústria comercial de saúde e bem-estar. Em segundo lugar, a próxima geração de profissionais da saúde deve ser treinada – na escola, faculdade, universidade e na prática aplicada – para ser melhor em distinguir a ciência da pseudociência e a informação da desinformação, e não apenas nos domínios da saúde e bem-estar. Por fim, é prudente que os profissionais da saúde aumentem sua conscientização, vigilância e envolvimento com produtos de saúde e bem-estar baseados no consumidor. 

Referências Bibliográficas

Tiller, N.B., Sullivan, J.P. & Ekkekakis, P. Baseless Claims and Pseudoscience in Health and Wellness: A Call to Action for the Sports, Exercise, and Nutrition-Science Community. Sports Med 53, 1–5 (2023). https://doi.org/10.1007/s40279-022-01702-2

Classifique esse post

8 visualizações

댓글


bottom of page